Variedades

Coragem feminina em tradição de 2 mil anos

COMPARTILHE
11

‘Ama-San’ fala de mergulhadoras que ganham a vida buscando pérolas e também ouriços e mariscos no mar

Filhote se torna 'cão-guia' de amigo que perdeu olhos por glaucoma

Uma amizade entre dois cachorrinhos nos Estados Unidos tem chamado atenção nas redes sociais....

'Temos filhos, então temos que nos dar bem', diz Luciana Gimenez sobre os ex

A apresentadora Luciana Gimenez falou que seus filhos são o principal motivo pelo qual...

Mel B revela envolvimento sexual com colega de Spice Girls

Uma entrevista concedida por Mel B ao programa Life Stories, do apresentador Piers Morgan,...

Ama-San é um filme da portuguesa Claudia Varejão realizado no Japão. O título designa as mulheres do mar, mergulhadoras que ganham a vida buscando sob a superfície pérolas, mas também ouriços, mariscos, lagostas e, em especial, o abalone, um tipo de molusco muito apreciado no Japão.

Afora uma pequena introdução inicial em off, todo o resto do documentário é de observação, sem intervenção de depoimentos, “especialistas” ou mesmo entrevistas com as personagens. Estas são observadas, por uma câmera sensível, em seu dia a dia. Que, aliás, é muito revelador de um tipo de cultura.

Continua depois da publicidade

As ama-san parecem tão delicadas em suas vidas, até na maneira de comer e se relacionar com outras pessoas e com as crianças, e são muito corajosas e competentes quando se encontram no mar. Delicadeza e valentia não se excluem.

As cenas são filmadas numa vila de pescadores de Wagu, na qual as mulheres mergulhadoras dão continuidade a uma tradição de mais de 2 mil anos. Elas são levadas por barco até o lugar do pesqueiro e então se lançam às águas, protegidas por uma roupa de borracha, máscara e luvas, mas dispondo apenas de pés de pato, uma faca e seu fôlego para realizar a tarefa.

Conseguem permanecer três minutos sem voltar à superfície e mergulham em até 20 metros de profundidade.

Bem, essas são informações. O filme se ocupa apenas de registrá-las em suas tarefas, mas também em suas festas, e em seu trabalho, com os mergulhos lindamente fotografados, como se fosse uma coreografia subaquática.

Transformar essa beleza em palavras é, necessariamente, empobrecê-la. De qualquer forma, o sentimento que se tem é de admiração e respeito por essa mulheres, de três gerações diferentes, tão calmas e gentis, habilidosas e valentes. São imagens que valem por muitos e muitos discursos sobre igualdade.

Luiz Zanin Oricchio
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade