Geral

Epidemiologista será confirmado como diretor do departamento de HIV/Aids

COMPARTILHE
6

O epidemiologista Gerson Pereira ficará à frente do departamento de Infecções Sexualmente Transmissíveis, HIV/Aids e Hepatites Virais. Atualmente diretor substituto, ele vai ocupar o posto de Adele Benzaken, que já foi comunicada da exoneração. A saída da médica foi antecipada nesta quinta-feira, 10, pelo Estado.

Doria endurece regras e proíbe mascarados em protesto

O governador João Doria (PSDB) regulamentou lei que endurece as regras para manifestações em...

Sobe para 399 número de presos em onda de ataques no Ceará

Balanço da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, divulgado neste sábado,...

Prefeitura de SP pretende conceder Zona Azul a partir de junho

A Prefeitura de São Paulo divulgou na sexta-feira, 18, a versão final do edital...

Pereira é apresentado como um profissional que dará continuidade às políticas públicas conduzidas no departamento, sobretudo para populações vulneráveis. A mensagem tem como objetivo acalmar os ânimos da sociedade civil e afastar a ideia de que haverá ruptura na condução dos trabalhos no departamento. Organizações não-governamentais receavam que, com a mudança na direção, medidas de prevenção, sobretudo para populações mais vulneráveis, estariam sob risco.

Pereira é servidor do Ministério da Saúde. Entre as prioridades da sua gestão está melhorar a vigilância da tuberculose em pacientes com HIV/Aids para reduzir a mortalidade. Há também a intenção de reforçar a atenção a pacientes com hepatites.

Continua depois da publicidade

A exoneração de Adele foi determinada uma semana depois de o Ministério da Saúde tirar da página da internet uma cartilha voltada para homens trans. O material, lançado há seis meses, também foi impresso e distribuído para os serviços de atenção a esse público – pessoas que ao nascer foram consideradas como do gênero feminino mas se reconhecem como do gênero masculino. A cartilha traz informações para prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e dados sobre direitos da população trans no SUS.

A retirada do material da página do Ministério da Saúde foi antecipada pelo Estado. A justificativa da pasta era de que o material trazia “falhas”, como um esquema do pump – o uso de uma seringa invertida para aumentar o tamanho do clitóris, uma prática controversa e que pode trazer riscos de lesões e infecções.

A cartilha foi um dos temas discutidos durante a conversa que definiu sua saída da equipe. O Ministério da Saúde afirmou que Adele teria sido convidada a continuar contribuindo no departamento.

Lígia Formenti
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade