Geral

Juíza nega a cubano escolha de cidade prioritária no Mais Médicos

COMPARTILHE
14

A juíza federal da 5ª Vara Cível de Brasília, Diana Wanderlei, negou o pedido de um médico cubano para ter prioridade na escolha do município onde atuaria no programa Mais Médicos. Segundo a legislação, o direito compete somente a brasileiros formados no exterior.

Doria endurece regras e proíbe mascarados em protesto

O governador João Doria (PSDB) regulamentou lei que endurece as regras para manifestações em...

Sobe para 399 número de presos em onda de ataques no Ceará

Balanço da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, divulgado neste sábado,...

Prefeitura de SP pretende conceder Zona Azul a partir de junho

A Prefeitura de São Paulo divulgou na sexta-feira, 18, a versão final do edital...

O médico alegou à Justiça que é formado na Universidade de Havana, e que exerceu a profissão no Mais Médicos entre março de 2014 e maio de 2017. Após o fim do contrato, ele decidiu não cumprir com a obrigação de voltar a Cuba e pediu refúgio ao Brasil.

Na condição de refugiado, segundo a defesa do médico, ele teria os mesmos direitos de qualquer outro brasileiro formado no exterior. No entanto, ao se inscrever em novo edital do programa, foi negada ao cubano a prioridade na escolha do município onde atuaria.

Continua depois da publicidade

Ao negar o pedido, a juíza pontua que, “se, de fato, tiver o intento de permanecer no Brasil, inicialmente, ter o status de refugiado reconhecido pelas autoridades brasileiras, e, posteriormente, estar atento ao fato de que, mesmo como refugiado, não usufruirá integralmente da plenitude de todos os direitos gozados pelos nacionais brasileiros, diante da autonomia soberana da República Federativa do Brasil, que avaliza quais os direitos e as suas cargas de intensidade a serem concedidas aos estrangeiros refugiados no País”.

Luiz Vassallo
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade