Política Regional

Prefeita de Presidente Kennedy tem mais uma vitória na Justiça Eleitoral

COMPARTILHE
Divulgação
301

A Justiça Eleitoral julgou improcedente mais um pedido de cassação de mandato movido por Reginaldo Quinta contra a prefeita Amanda Quinta Rangel, de Presidente Kennedy. Nas últimas eleições, Amanda venceu Reginaldo e, desde então, vem travando uma batalha judicial com diversas acusações de fraudes eleitorais, mas a prefeita obteve êxito em todas elas e nenhuma investida da oposição prosperou no âmbito judicial.

Marcus Vicente, Foletto e mais três nomes são anunciados para governo de Casagrande

O governador eleito do Espírito Santo Renato Casagrande, anunciou nesta sexta-feira (14) mais cinco...

Paulo Foletto será secretário de Agricultura de Casagrande

O governador eleito no Espírito Santo, Renato Casagrande, anunciou hoje (14) o nome do...

Casagrande anuncia Edmar Camata e Eduarda La Rocque para equipe de governo

O governador eleito, Renato Casagrande, anunciou nesta terça-feira (11), ao vivo em sua página...

Essa foi mais uma vitória da prefeita e, agora, ela não responde mais a nenhum processo eleitoral em primeira instância. Foram mais de 10 ações movidas pela oposição, derrotada nas eleições de 2016 e, em todas elas, Amanda conseguiu provar a improcedência das denúncias.

Dessa vez, o ex-prefeito acusava a chapa vencedora do último pleito de ter promovido audiências públicas pela prefeitura para se beneficiar nas eleições, bem como ter distribuído cestas básicas e feito admissões de empregados públicos.

Continua depois da publicidade

Em sua decisão, o juiz eleitoral Gil Vellozo Taddei, argumenta que “as provas documentais e testemunhais em nada concorreram para confirmar os fatos relatados na peça inicial, seus argumentos ficaram na mera ilação e esmaeceram. Tais argumentos, desprovidos de alguma outra espécies de comprovação, são extremamente frágeis”.

E finalizou: “a realização de audiências públicas, a regular concessão de benefícios assistenciais, bem como a contratação legal de servidores, não configura conduta vedada pelo art. 73 da lei 9.504/1997, e a improcedência é medida que se impõe”.

Publicidade