Cidades

Mais de 400 gaiolas apreendidas em ações da Polícia Ambiental são destruídas em Guaçuí

COMPARTILHE
Divulgação PMG
532

Como parte de uma ação de educação ambiental com alunos da rede municipal, a prefeitura de Guaçuí realizou na manhã desta quarta-feira (5) a destruição de 417 gaiolas e 27 armadilhas para pássaros.

Alunos de Cachoeiro conseguem arrecadar R$ 15 mil para publicar livro de crônicas

Eles conseguiram! Os estudantes de Cachoeiro de Itapemirim que estavam promovendo uma “vaquinha virtual”...

Cachoeiro está entre os municípios mais transparentes do país

O município de Cachoeiro de Itapemirim alcançou nota 9,03 na Escala Brasil Transparente (EBT)...

Procon de Cachoeiro amplia para 90% índice de resolução de queixas

O Procon de Cachoeiro já realizou neste ano 7.289 atendimentos, resolvendo cerca de 90%...

A iniciativa contou com a presença de 250 alunos, com idades entre 6 a 17 anos, da Escola Municipal São Geraldo, Escola Estadual Antônio Carneiro Ribeiro e Programa AABB Comunidade.

O trabalho é uma continuidade ao trabalho de educação ambiental, iniciado no mês de junho, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semmam), que vem trabalhando o tema “Animais Silvestres: preservar é responsabilidade de todos”.

Continua depois da publicidade

A atividade conta com a parceria da Polícia Militar Ambiental que atua na região do Caparaó e é responsável direta pelas apreensões de pássaros silvestres mantidos em cativeiro de forma irregular.

A ação na praça da Igreja Matriz foi aberta pelo secretário municipal de Meio Ambiente, Roberto Martins, que lembrou as duas solturas de animais silvestres realizadas no município, totalizando 211 animais, em sua grande maioria aves, com o apoio do Centro de Reintrodução de Animais Selvagens (Cereias), Ibama e Polícia Ambiental. Além da destruição de cerca de 200 gaiolas e armadilhas que abriu a semana do Meio Ambiente, no último mês de junho. “Hoje, estamos dando continuidade a esse fundamental trabalho de educação ambiental, quando envolvemos 250 jovens na destruição de mais de 400 gaiolas, chamando a atenção para esse crime, infelizmente, ainda tão praticado, que é capturar e manter animais silvestres em cativeiro”, enfatizou Martins.

Antes da destruição de todas as gaiolas e armadilhas, o secretário destacou que o tráfico de animais é a terceira maior atividade ilícita no mundo, perdendo apenas para o tráfico de drogas e de armas e que, no Espírito Santo, existem 198 espécies em risco de extinção. Ele ainda pontuou que a região do Caparaó é local de grande trajeto do tráfico de animais. “Algumas espécies estão em risco crítico, como a onça pintada, e precisamos nos conscientizar que os animais são muito importantes para o equilíbrio ecológico”, finalizou. Ao final, as gaiolas foram destruídas por uma retroescavadeira sob o olhar atento e muitas palmas dos presentes.

O evento contou ainda com a presença de várias autoridades e personalidades, dentre elas a prefeita municipal Vera Costa, o presidente da Câmara Municipal, Paulinho do Vitalino, os vereadores Lissinho Moreira, e Laudinho Neto, além dos secretários municipais de Saúde, Marcio Clayton, de Agricultura, Edielson de Souza, de Cultura, Esportes e Turismo, Leonardo Ridolfi, a equipe da Superintendência de Comunicação, o comandante do Corpo de Bombeiros de Guaçuí, capitão Heitor Lube, o comandante da Polícia Ambiental na região do Caparaó, tenente Ailton Nunes, Padre Pedro, a comendadora Maria Madalena Emery de Carvalho, o presidente da Associação Comercial de Guaçuí (Acisg), Fernando Rangel, e muitos professores, policiais militares, presidentes de associações de moradores, funcionários da Prefeitura, SAAE e outros convidados.

Importante saber

Os pássaros na natureza se alimentam com larvas de lagartas, controlando a população de insetos na natureza que são prejudiciais às frutas, verduras e plantas em geral. Também auxiliam na polinização das plantas, disseminando sementes.

As aves são o termômetro da condição ambiental da região. Quando uma ave comum em determinada região aparece em outro lugar é o indício de que algo está errado. Pode ser que a região de origem esteja desmatada demais ou está acontecendo qualquer outra alteração ambiental que precisa ser pesquisada.

Publicidade