Cidades

Bens da Cimento Nassau vão a leilão em Cachoeiro de Itapemirim e Venda Nova do Imigrante

COMPARTILHE
4874

Imóveis que pertencem a empresa Cimento Nassau (Itabira Agroindustrial S/A)  poderão arrematadas por meio de leilões realizados pela Justiça do Trabalho de Cachoeiro de Itapemirim e Venda Nova do Imigrante, em parceria com a leiloeira Hidirlene Duszeiko.

Aplicativo de esportes da prefeitura de Cachoeiro já pode ser baixado

Na noite de quinta-feira (23), vários grupos de esportes de Cachoeiro e convidados participaram...

Tiro de Guerra de Guaçuí comemora o Dia da Infantaria

Na manhã desta sexta-feira (24), o Tiro de Guerra (TG) 01-013, de Guaçuí, realizou...

Escolas podem agendar visitas ao Museu de Ciência e Tecnologia de Cachoeiro

Instituições de ensino de Cachoeiro e região podem agendar visitas de grupos de estudantes...

Os leilões presenciais e eletrônicos acontecem nesta quarta-feira (5) e 18 de dezembro, na Justiça do Trabalho, de imóveis que pertencem a empresa Cimento Nassau (Itabira Agroindustrial S/A).

Os bens está localizados em Cachoeiro e Domingos Martins. O leilão de Venda Nova poderá receber lances de qualquer lugar Brasil, mediante cadastro prévio no site hdleiloes.com.br.

Continua depois da publicidade

Entre os bens, destaque para dois imóveis: o sítio com 72 hectares, represa e barragem, casa, currais e tulha, localizado próximo a Rod. ES-164 em Domingos Martins, avaliado em cerca de R$ 9 milhões, com possibilidade de lances a partir de R$ 5,4 milhões e a casa avaliada em mais de R$ 2 milhões, com aproximadamente 1.200m² de área construída, salão de festas, varandas, piscina, churrasqueira e terreno com 1.248m², podendo ser arrematada por R$ 1,5 milhões.

Ainda, entre os imóveis, estão um apartamento no Edifício Itapuã, casa no Centro, duas edificações, sobrado e terreno.

Interessados podem obter informações mais detalhadas e fotos pelo site hdleiloes.com.br ou então pelo 0800-707-9272.

Crise

A Cimento Nassau, empresa controlada pelo Grupo João Santos, enfrenta forte crise desde 2016 quando começou a atrasar o salário de centenas de funcionários e no final de 2017 foi desativada. Desde então, acumula um montante de R$ 60 milhões em dívidas trabalhistas e mais de R$ 260 milhões de execuções fiscais.

 

Publicidade