Cidades

Banestes presenteia alunos de Cachoeiro com publicação de livro de crônicas

COMPARTILHE
Fotos: Guilherme Gomes
275

Os alunos da Escola Estadual “Presidente Getúlio Vargas”, o Polivalente Aquidaban, em Cachoeiro de Itapemirim, foram presenteados na manhã de hoje (6) com um cheque no valor de R$ 15 mil para custeio do projeto da publicação do livro de crônicas escrito por eles. A história do projeto foi contada em primeira mão pelo AQUINOTICIAS.COM, que foi convidado para acompanhar a entrega do presente aos alunos.

Guaçuí entra no clima do Natal

A cidade de Guaçuí já entrou no clima do Natal. Depois de adiada na...

Pré-Matrícula na Rede Municipal de Ensino de Cachoeiro abre na segunda-feira

Nesta segunda-feira (10), a Secretaria Municipal de Educação (Seme) de Guaçuí vai abrir o...

Confira a previsão do tempo em Cachoeiro e região neste domingo (9)

O domingo (9) será de céu nublado e pancada de chuva em grande parte...

A surpresa foi revelada pelo diretor presidente do Banestes, Michel Sarkis, que afirmou que o cheque vem para proporcionar um segundo projeto para o ano seguinte. Estiveram presentes na apresentação o secretário estadual de Educação, Haroldo Rocha, e a superintendente estadual de Comunicação, Andréia Lopes.

A cerimônia foi marcada por emoção. O projeto “Livro é lugar de fala” já angariou o valor de R$ 10.481,00 até o momento, por meio de uma vaquinha na internet. Para a publicação das 500 cópias da obra, já incluso os gastos com impressão, divulgação, lançamento, diagramação, revisão e distribuição, a meta é de R$ 15 mil. A plataforma “Catarse” tem sido o recurso utilizado para arrecadação do dinheiro.

Continua depois da publicidade

A professora e uma das coordenadoras do projeto, Maria Gabriela Verediano, diz que a ideia de produzir a coletânea surgiu através de um livro originado de uma oficina para adolescentes da periferia de Vitória, em que participou da revisão. “A ideia teve início antes mesmo de chegar aqui. Esperamos com isso que outras escolas estaduais sejam atingidas pelo mesmo espírito que fomos acometidos aqui”, destaca.

O secretário de Educação, Haroldo Rocha, disse que a presença da comitiva do governo na escola era justamente para “incendiar” ainda mais o projeto. “Estamos aqui para fazer acontecer, visto tamanha a importância que o projeto apresenta para a educação estadual. O trabalho faz a conexão com realidade local e brasileira na literatura”, afirma Haroldo.

O diretor presidente do Banestes, Michel Sarkis, explicou que a maior preocupação ao oferecer o custeio da publicação era em como ser feito, sem atrapalhar o trabalho que vem sendo realizado pelos alunos e professores na arrecadação. Por isso, ressaltou que a verba disponibilizada é uma segurança para que o projeto tenha seguimento em 2019.

“Nós ficamos tocados com o trabalho e a força para alcançar o objetivo final. O Banestes é um dos grandes apoiadores culturais do Espírito Santo. Estavamos preocupados em como fazer a intervenção sem atrapalhar e achamos que essa seria a forma ideal. Nos encantamos com a força transformadora e com a vontade de produzir desses estudantes”, aponta Michel.

A superintendente estadual de Comunicação, Andréia Lopes, parabenizou os alunos e os professores e disse que, como cachoeirense, se sente orgulhosa do trabalho que está sendo realizado pela instituição. “Com esse projeto tão bonito e revolucionário colocamos o ‘palito de fósforo’ para que vocês continuem os trabalhos. Os professores da rede estadual estão cada vez mais inspirando os alunos a construírem uma nova história”.

Alunos empolgados

Olhos marejados, sorrisos estampados e muita empolgação era o semblante mais visível dos alunos da Escola Estadual “Presidente Getúlio Vargas”. Cada um deles deu a sua contribuição da forma que pôde. A aluna Jamilli Couto disse que o projeto criou um elo entre os participantes. “Com o processo podemos mostrar a nossa voz, além de trazer pessoas que antes não se interessavam pelo gênero e que agora estão junto de nós”, comemora.

Preocupada com a ampla repercussão nas redes sociais, a estudante Sara Bandeira criou o Instagram do projeto, onde faz postagens diárias sobre as novidades dele. “Pensei que eu poderia participar ainda mais e achei que seria interessante fazer as divulgações nas redes sociais. O projeto tem sido incrível para a escola e para nós, como pessoas”, diz.

Rhuan Rodrigues Costa é um dos responsáveis pelas ilustrações de capa e outras partes artísticas da publicação. Para ele, é necessário que cada vez mais sejam realizados esses trabalhos, para o povo não esquecer a força cultural de Cachoeiro. “Cachoeiro é uma cidade que está sendo esquecida e não podemos deixar isso acontecer, temos que nos reinventar, seja na literatura, na música ou na arte. Nós somos um berço cultural”, finaliza.

Vaquinha

A vaquinha on-line termina no dia próximo dia 19, e o livro tem projeção para ser lançado em fevereiro de 2019, próximo do período de volta às aulas. As doações podem ser feitas com cartão de crédito ou boleto bancário, a partir de R$ 10, pelo site www.catarse.me/livroelugardefala.

Publicidade