Internacional

'Coletes amarelos' entram em confronto com policiais de Paris neste sábado

COMPARTILHE
9

Manifestantes do movimento dos “coletes amarelos” e policiais de Paris entraram em confronto neste sábado, 8, durante protesto contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Até o momento, 481 pessoas foram detidas, das quais 211 estão mantidas sob o regime de “detenção preventiva”, de acordo com o relato do primeiro-ministro francês, Édouard Philippe.

Boeing admite falha em software do simulador de voo do 737 MAX, segundo agência

A Boeing assumiu neste sábado que teve que corrigir falhas no software dos simuladores...

Chanceler austríaco convoca eleições antecipadas após escândalo derrubar vice

O chanceler austríaco Sebastian Kurz anunciou que convocará eleições antecipadas após seu vice-chanceler renunciar...

Donald Trump volta a ameaçar imigrantes ilegais via Twitter

Por Fabiana HoltzSão Paulo, 18/05/2019 - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou...

Um grupo de cerca de 1,5 mil pessoas caminhou pela Avenida Champs-Elysées e se reuniu nos arredores do Arco do Triunfo, onde foi cercado por forças policiais. Gás lacrimogêneo foi disparado contra manifestantes em diversos pontos da cidade, como nos arredores do palácio presidencial.

Torre Eiffel, museus – como o Louvre -, lojas de departamento e metrô amanheceram fechados para visitação e uso por causa de possíveis conflitos entre manifestantes e policiais. Dúzias de vias centrais de Paris foram fechadas por causa do protesto, o que deu à capital francesa um aspecto de “cidade fantasma”.

Continua depois da publicidade

Em toda a França, 89 mil agentes de segurança foram escalados para evitar novos atos de violência no país. No último sábado, 1º de dezembro, 206 manifestantes foram presos e cerca de 400 pessoas ficaram feridas no ato.

As ações dos manifestantes por toda a França começaram há três semanas, em razão do anúncio de que haveria aumento nos impostos sobre combustíveis, em especial do diesel. A medida, que iria passar a valer a partir de 1º de janeiro, foi adiada por Philippe, mas os protestos contra o governo continuaram. (com agências internacionais)

Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade