Geral

Cármen manda avisar Espanha para que peça a extradição do terrorista

COMPARTILHE
15

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo, determinou que o Ministério da Justiça notifique a Espanha para apresentação do pedido de extradição do terrorista Carlos Garcia Juliá, preso na noite de quarta, 5, em São Paulo. A prisão de Juliá foi decretada no fim de novembro pela ministra, a pedido da Procuradoria-Geral da República. A partir da notificação do governo brasileiro, a Justiça espanhola deverá encaminhar o pedido formal de extradição no prazo de três meses.

Senado aprova projeto que obriga SUS a fazer exames de câncer em 30 dias

O Senado aprovou, nesta quarta-feira, 16, um projeto que obriga o Sistema Único de...

MEC vai liberar R$ 43 milhões para obras em 96 instituições federais

O Ministério da Educação (MEC) vai liberar R$ 43 milhões para investimento em 96...

Agência de mineração mantém 38 barragens interditadas no Brasil

A Agência Nacional de Mineração (ANM) reduziu o número de barragens interditadas em todo...

Foragido das autoridades espanholas há 14 anos, Juliá foi condenado pelo assassinato de cinco pessoas e pela tentativa de assassinato de outras quatro, no atentado que ficou mundialmente conhecido como o Massacre de Atocha, ocorrido na noite de 24 de novembro de 1977, no centro de Madri.

A Polícia Federal, que localizou Juliá, descobriu que o terrorista vivia com identidade falsa no tradicional bairro da Barra Funda, em São Paulo. Ele se passava por Genaro Antonio Materan Flores, venezuelano.

Continua depois da publicidade

No requerimento encaminhado ao Supremo, Raquel Dodge, a procuradora-geral, argumentou que a prisão preventiva do espanhol ‘tem o objetivo de garantir a extradição diante da gravidade dos crimes praticados, além de impedir eventual fuga de Carlos Garcia Juliá, antes da notificação às autoridades espanholas’.

A Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria informa que o documento ressalta que, no caso de Juliá, os crimes de homicídio e tentativa de homicídio – tipificados como terrorismo, na sentença espanhola – ‘atendem aos critérios de dupla tipicidade, quando a conduta do réu é reconhecida como delito tanto no Brasil quanto no país de origem do extraditando’.

A correspondência dos tipos penais é requisito obrigatório para a extradição.

Massacre de Atocha

Carlos García Juliá integrou o grupo de extrema direita Falange Espanhola Tradicionalista e a Juntas de Ofensiva Nacional Sindicalista (Jons), na década de 1970.

Ele foi condenado a 193 anos de prisão pela Justiça Espanhola, em 1994, pelo ato terrorista que ficou conhecido como Massacre de Atocha.

Juliá e outros cinco atiradores invadiram um escritório e executaram cinco advogados militantes do partido comunista espanhol, ferindo outras quatro pessoas.

Em 2003, Carlos Garcia Juliá foi preso na Bolívia por tráfico internacional de cocaína, sendo condenado pelo país andino à pena de 6 anos e 8 meses de prisão.

Julia Affonso
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade