Variedades

Claudio Magris fala do segredo e seus dilemas em conto da 'Serrote'

COMPARTILHE
20

Claudio Magris está preocupado. Clássico intelectual europeu humanista (ele nasceu em Trieste, na Itália, em 1939, e se tornou um dos principais nomes do pensamento ocidental ao erigir nos últimos 50 anos uma obra ensaística e ficcional aclamada), ele agora testemunha com os próprios olhos desdobramentos políticos no mundo que considerava impossíveis (o Brexit, por exemplo). “Sinto-me também um pouco culpado porque, como tantos de nós, me comportei como um cego diante do nascimento, da gênese e dos primeiros desdobramentos deste perigo que ameaça a Europa e o mundo. Jamais imaginei que chegaria a ver, na minha idade avançada, tamanho retrocesso”, diz ao jornal O Estado de S. Paulo, por e-mail.

Rihanna confirma que novo álbum será de reggae e pode se chamar 'R9'

Rihanna afirmou, em entrevista ao The New York Times no último domingo, 19, que...

Cridora de 'Detetives do Prédio Azul', Flavia Lins fala sobre nova temporada

Estreia nesta segunda-feira, 20, no canal Gloob, a 12ª temporada de D.P.A. - Detetives...

Paola Carosella se recusa a provar prato no 'MasterChef': 'já conheço o gosto'

Paola Carosella, uma das juradas do MasterChef Brasil, fez duras críticas ao participante Eduardo...

“Muitas vezes somos, não politicamente, mas psicologicamente, cegos conservadores, incapazes de compreender que as coisas, do modo como estamos acostumados a vivenciá-las e a vê-las, possam mudar radicalmente. Se no final de outubro de 1989, alguém afirmasse que o muro de Berlim iria cair, seria considerado mentalmente perturbado.”

Um ensaio do escritor é um dos textos da serrote #30, edição que comemora os 10 anos da revista editada pelo Instituto Moreira Salles. Em O Segredo e Seu Contrário, o italiano investiga as possibilidades e consequências do “segredo” em diferentes tipos de relação: dos jogos infantis ao poder político e religioso.

Continua depois da publicidade

Ao recuperar uma linhagem de mistérios tanto de origem ocidental quanto oriental, ele afirma que comum a todos é a “hierarquia da iniciação”, ou seja, passa a ser fundamental exatamente quem tem acesso a eles.

O problema é como a laicização e secularização da sociedade transformaram essa hierarquia, antes de sacerdotes e leigos, “em divisão – bem mais radical, cruel e insensata – entre homens superiores e inferiores, entre quem é digno do espírito e quem, ao contrário, é considerado apenas matéria, entre quem é destinado a priori a comandar e guiar e quem é destinado a servir”, escreve.

Ele então analisa como custódia e violação dos segredos passa a ser exercício de poder. A serrote #30 ainda traz outros textos inéditos: Philip Roth imagina se Kafka tivesse se mudado para os EUA e se tornado seu professor de ensino médio; Daniel Salgado investiga como fóruns sobre games na web criaram um ambiente propício a um autoritarismo misógino na discussão online do País; Henry Louis Gates Jr. conta a história incrível do crítico literário Anatole Broyard.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Guilherme Sobota
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade