Geral

Corregedoria apura morte de empresário durante abordagem em Tatuí

COMPARTILHE
20

A Corregedoria da Polícia Civil abriu investigação para apurar as circunstâncias da morte do empresário Vicente Antônio Elias Júnior, de 33 anos, que teve o carro atingido por 15 disparos durante abordagem por sete policiais civis à paisana e com veículos descaracterizados, na última terça-feira, 4, em uma estrada rural de Tatuí, interior de São Paulo.

Alunos de colégios militares são proibidos de participar de Olimpíada de História

Os 14 mil alunos do Sistema Colégio Militar foram proibidos de participar da 11.ª...

Ensino Waldorf completa 100 anos em expansão no Brasil

As aulas de Artes e Música são consideradas tão importantes quanto Língua Portuguesa ou...

Barragem em risco de desmoronamento cria ‘terrorismo psicológico’

"O que vivemos é um terrorismo psicológico", afirma o padre José Antonio de Oliveira,...

Conforme testemunhas, Júnior achou que os policiais eram assaltantes e tentou fugir, quando o veículo foi alvejado. Vários tiros acertaram o empresário, que morreu na hora.

Na apresentação da ocorrência, os policiais disseram que tinham se identificado e foram recebidos à bala pelo ocupante do veículo, por isso reagiram e houve tiroteio. O caso foi registrado como de “oposição à intervenção policial”, o que configuraria morte em legítima defesa.

Continua depois da publicidade

Elias Júnior levava no carro um funcionário da cerâmica da família e o filho dele, adolescente. O homem havia descido para abrir o portão do sítio, quando tudo aconteceu. Ele e o filho nada sofreram e já depuseram à polícia sobre o caso. Os depoimentos não foram divulgados.

A família de Elias Júnior contesta a versão da polícia. Conforme a irmã, Maria Roberta Camargo Elias, ele comprou uma arma após ter sido assaltado no sítio, mas não chegou a usá-la. “Não houve troca de tiros. Ele viu que havia três carros se aproximando e achou que eram ladrões. O funcionário que estava no portão disse que não viu o Junior atirar.”

Segundo a irmã, ao ser abordado, Elias Júnior deu ré para tentar fugir e bateu no carro, que não tinha identificação da polícia. “Eles começaram a atirar e o carro capotou. O menino só não foi atingido porque o corpo do Júnior protegeu”, disse.

Ainda segundo a jovem, o sítio havia sido furtado várias vezes e Elias Júnior estava recebendo ameaças. “Ele registrou um boletim de ocorrência pelas ameaças e ligou várias vezes para a polícia denunciando os furtos. O carro que ele dirigia estava identificado com a logomarca da empresa. Nós queremos uma explicação para o que aconteceu.”

A Secretaria da Segurança Pública do Estado informou que o caso é investigado pela Corregedoria da Polícia Civil. As armas dos policiais e da vítima foram encaminhadas para perícia, mas os policiais não foram afastados do serviço. “Todas as circunstâncias estão sendo apuradas”, informou a SSP.

José Maria Tomazela
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade