Economia

Estimativa de faturamento líquido do setor em 2018 é de R$ 462,3 bi, diz Abiquim

COMPARTILHE
12

O faturamento líquido estimado para a indústria química brasileira em 2018 deve fechar em R$ 462,3 bilhões, crescimento de 20,2% na comparação com os R$ 384,6 bilhões em 2017. Os números foram divulgados nesta sexta-feira, 7, em São Paulo, pela Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim). Em dólares, o faturamento deve crescer 5,4%, para US$ 127,9 bilhões em 2018.

Bloqueio de verba foi superior a 40% em 300 projetos

O governo federal congelou todo o Orçamento previsto neste ano para políticas em áreas...

Governo vê pouca chance de entrada do Brasil na OCDE

São "baixas" as expectativas do governo brasileiro de encontrar na semana que vem uma...

Justiça de MG eleva multa da Vale a R$ 300 mi e cobra entrega de estudo

A Justiça de Minas Gerais determinou, nesta sexta-feira, 17, que a mineradora Vale apresente...

Segundo a associação, neste ano, a balança comercial de produtos químicos deve fechar com um déficit de US$ 29,1 bilhões, ante um também déficit de US$ 23,5 bilhões em 2017. Desde o pico de US$ 32 bilhões de déficit em 2013, a diferença da força das importações contra as exportações havia começado a cair, até bater no negativo em US$ 22 bilhões em 2016.

Ainda conforme a Abiquim, os investimentos realizados e programados entre 2017 e 2022 no setor somam US$ 3,3 bilhões. Desde total, US$ 700 milhões são esperados para 2018 e US$ 600 milhões em 2019. Os gráficos mostram uma clara queda. Somente em 2016, os investimentos foram da ordem de US$ 2,2 bilhões.

Continua depois da publicidade

Década perdida

Diante dos indicadores de 2018, o setor de químicos no Brasil teve uma verdadeira década perdida por causa das crises dos últimos anos, disse o CEO da Braskem e vice-presidente do conselho diretor da Abiquim, Fernando Musa. “O setor químico voltará a registrar crescimento no seu faturamento líquido. A receita, depois de 3 anos, volta a crescer. Esses números positivos de curto prazo escondem um grande desafio. Porque isso mostra que em 2018 estamos retomando ao patamar de 2010”, afirmou.

Os números a que Musa se refere são ao faturamento líquido do setor químico esperado para 2018. Apesar da alta, o número volta o setor para o patamar de 2010, quando o faturamento líquido foi para US$ 128,8 bilhões.

O executivo lembrou ainda do crescimento do déficit comercial do setor, que atingiu US$ 29,1 bilhões em 2018. “Estamos gerando muito dinheiro e renda no exterior. Renda e emprego esses que poderiam estar acontecendo no Brasil”, defendeu.

Musa aproveitou para pedir reformas estruturais no País, que seriam fundamentais para o crescimento do setor e surgimento de um ambiente econômico favorável. “Estamos às vésperas de um novo ciclo político, momento de renovação a esperança por parte da sociedade. Espera-se que as medidas a serem tomadas pela nova equipe consiga resgatar confiança por ambiente econômico favorável”, disse. “Melhor vacina para cenários voláteis é o ajuste do ambiente macroeconômico. Reformas tributárias e previdenciárias são fundamentais, além de práticas que fomentem a concorrência”, defendeu.

Economia Circular

Os produtores de resinas plásticas membros da Abiquim lançaram nesta sexta-feira um compromisso voluntário para promover e ampliar o alcance da Economia Circular nas embalagens plásticas.

A Economia Circular tem o objetivo de melhorar a competitividade e eficiência dos recursos e fazê-los serem usados pelo maior tempo possível. Ao fim de sua vida útil, eles podem ser aproveitados ou revalorizados através da reciclagem.

A Abiquim destaca que o plástico é amplamente usado em todas as cadeias de produção. Com o programa, a entidade pretende aumentar os esforços da cadeia para criar soluções de embalagens sustentáveis e facilitar o processo de reciclagem.

De acordo com a Abiquim, a gestão dos resíduos sólidos é um desafio global da sociedade e há uma preocupação crescente com os resíduos plásticos. A meta é até 2040 tornar 100% das embalagens de plástico reutilizáveis, recicláveis ou revalorizáveis.

Cristian Favaro
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade