Economia

Bolsas da Europa fecham na maioria em alta, mas Frankfurt recua

COMPARTILHE
9

As bolsas europeias fecharam em alta nesta sexta-feira, 7, recuperando-se após na quinta-feira atingirem mínimas em dois anos. Preocupações com o comércio entre Estados Unidos e China, porém, limitaram os ganhos. Além disso, Frankfurt piorou no fim do pregão, pressionada por uma jornada bastante negativa da Fresenius, com investidores também de olho na política alemã.

Governo da China aprova investimento de US$ 43,5 bilhões em ferrovias em Xangai

O governo da China anunciou nesta quarta-feira, 19, que aprovou nove projetos de ferrovias...

Ipea corrige: Total de servidores sobe 83% em 20 anos

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) cometeu um erro no relatório "Uma análise...

Greenspan diz que EUA seguem para estagflação e mostra cautela com bolsas de NY

Ex-presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) entre 1987 e 2006, Alan...

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,62%, em 345,45 pontos, porém registrou recuo de 3,37% na semana.

Além da recuperação após três sessões negativas, os índices foram impulsionados pela forte alta do petróleo, que reagiu ao corte na oferta da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e de seus aliados, como a Rússia. Com isso, ações do setor de energia em geral se saíram bem no continente.

Continua depois da publicidade

Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 1,10%, em 6.778,11 pontos. Na semana, a praça local caiu 2,90%. Houve, porém, ainda cautela hoje com a votação na próxima semana no Parlamento local da saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado Brexit. Entre as ações, as mineradoras se saíram bem, enquanto no varejo Tesco subiu 2,7%, após o BNP Paribas melhorar a recomendação do papel.

Em Frankfurt, o índice DAX recuou 0,21%, a 10,788,09 pontos, na mínima do dia, com queda de 4,17% na comparação semanal. A ação da Fresenius recuou 17,71%, após a companhia fornecedora de cuidados médicos emitir uma advertência sobre seu lucro. Já no setor de energia, E.ON subiu 0,58%, e entre os bancos Deutsche Bank avançou 0,09% e Commerzbank caiu 1,49%. Na arena política, Annegret Kramp-Karrenbauer, aliada da chanceler alemã, Angela Merkel, venceu a disputa para se tornar a presidente do partido de ambas, a União Democrática Cristã (CDU, na sigla em alemão). O principal rival dela na disputa pelo comando da sigla era Friedrich Merz, um empresário crítico de Merkel e bem avaliado pelos investidores.

Na bolsa de Paris, o índice CAC-40 avançou 0,68%, a 4.813,13 pontos, com queda semanal de 3,81%. Entre os papéis mais negociados, CGG subiu 3,71%, AXA recuou 1,26% e Total teve alta de 1,65%.

Em Milão, o índice FTSE-MIB fechou com ganho de 0,53%, a 18.741,98 pontos, mas na mínima do dia, com recuo semanal de 2,33%. Entre os bancos italianos, Intesa Sanpaolo subiu 0,44%, mas Banca Carige caiu 5,26%. Fiat Chrysler teve queda de 0,59%.

Na bolsa de Madri, o índice IBEX-35 subiu 0,58%, a 8.815,50 pontos, com baixa semanal de 2,88%. A ação do Santander avançou 0,31%, enquanto BBVA ficou estável. No setor de energia, Iberdrola subiu 0,98%.

Em Lisboa, o índice PSI-20 avançou 0,40%, a 4.836,73 pontos, mas caiu 1,58% na semana. Banco Comercial Português caiu 1,44%, mas Altri subiu 0,34% e Galp Energia teve ganho de 1,75%. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Gabriel Bueno da Costa
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade