Economia

Abcam diz ser contra paralisação, mas não se opõe à decisão de caminhoneiros

COMPARTILHE
3

Em nota, a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), afirmou nesta sexta-feira, 7, que é contra uma nova paralisação da categoria, mas que não vai se opor caso a base delibere por um novo movimento. “A situação está insustentável e não sabemos até quando será possível conter a categoria e evitar uma nova paralisação”, alertou.

Eletrobras conclui venda da Boa Vista Energia para Oliveira Energia e Atem

A Eletrobras anunciou nesta segunda-feira, 10, que a venda do controle da Boa Vista...

Maia diz que vai votar PL que tira recursos do fundo social para gasodutos

O presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que mesmo com polêmica,...

Trabalhadores obtêm liminar que suspende leilão da Amazonas Energia

A notícia de que os trabalhadores da Eletrobras obtiveram uma liminar suspendendo o leilão...

A Abcam é uma das entidades representativas dos caminhoneiros e informa ter 600 mil motoristas em sua base. Ela atuou como uma das interlocutoras do governo na paralisação de maio. A categoria não tem uma liderança única.

Na nota, a entidade se diz “perplexa” com a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux de suspender a aplicação de multa pelo descumprimento do piso mínimo do frete rodoviário. Ele tomou essa decisão na noite da quinta-feira, 6, atendendo a pedido da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Continua depois da publicidade

Segundo a Abcam, a decisão “atrapalhou o diálogo” que a categoria travava com o governo e que as lideranças travavam com a base, insatisfeita pela falta de fiscalização quanto à aplicação da tabela de preços. “Recebemos inúmeras mensagens de insatisfação com decisão do ministro do STF, fato que preocupou todas as lideranças da categoria.”

“Apesar de sermos contrários a uma nova paralisação geral, não podemos nos opor à decisão dos caminhoneiros os quais representamos”, diz a nota. “Infelizmente, o ministro Luiz Fux tomou uma decisão sem antes ouvir o caminhoneiro, ou ao menos as lideranças da categoria.”

A Abcam conclui dizendo que, no momento, resta esperar a decisão do STF quanto à constitucionalidade da política de preço mínimo do frete rodoviário. “Assim, poderemos dar o próximo passo com mais segurança e clareza, seja ele qual for.”

Lu Aiko Otta
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade