Política Nacional

Major Olímpio cita esforço para evitar pautas-bombas no Congresso

COMPARTILHE
7

O senador eleito Major Olímpio (PSL-SP) afirmou nesta sexta-feira, 7, que ele e os demais parlamentares do PSL que estão em mandato estão agindo para evitar pautas-bombas no Congresso. A nova legislatura toma posse em 1º de fevereiro.

Colômbia diz que 60 militares venezuelanos pediram refúgio

Mais de 60 militares venezuelanos pediram refúgio em território colombiano neste sábado, disse o...

Senado estuda montar comissão para acompanhar ajuda humanitária

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse hoje que vai reunir os senadores...

Militares veem agressão ao Brasil e dizem que Bolsonaro deve se manifestar

As primeiras impressões de oficiais do Exército envolvidos na Operação Acolhida e integrantes do...

“É preciso ter responsabilidade com o Brasil”, disse ele, que participou nesta sexta de formatura da Academia da Força Aérea (AFA) em Pirassununga, interior de São Paulo.

Olímpio criticou ainda a aprovação da flexibilização da Lei de Responsabilidade Fiscal aos municípios, aprovada na quarta-feira na Câmara. “É difícil neste momento, quando nós temos metade da Câmara e 85% do Senado que tentou se reeleger e não conseguiu. Já está todo mundo olhando para 2020”, afirmou.

Continua depois da publicidade

Renan Calheiros

O senador eleito negou que haja dentro do partido dele uma recomendação contra a candidatura de Renan Calheiros (MDB-AL). Nesta semana, o senador alagoano recebeu uma inimiga de peso: a deputada estadual Janaína Paschoal (PSL-SP), recordista de votos e aliada de Olímpio.

“Tenho admiração pelo que diz a Janaína. E concordo com ela que o momento pede mudança, e não uma pessoa (Renan) com 15 processos. Mas não há recomendação nenhuma contra ele. Eu, particularmente, sou contra, com este argumento da Janaína”, afirmou Olímpio.

Ele ressaltou ainda que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, não pretende interferir nas eleições da Câmara e do Senado. “Ele nos disse para o PSL buscar o seu espaço, quer na formação de comissões, nas mesas diretoras”, comentou.

Especificamente sobre a liderança do PSL do Senado, Olímpio disse que este é um cargo que poderia ser ocupado por Flávio Bolsonaro, filho mais velho do presidente eleito e senador eleito pelo Rio de Janeiro. “Na semana que vem, na segunda-feira, teremos uma reunião com os quatro senadores eleitos pelo PSL para decidir, deliberar sobre isso”, afirmou.

Mateus Fagundes, enviado especial
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade