Política Nacional

'Atos populares não são compreendidos hoje, mas são aplaudidos amanhã', diz Temer

COMPARTILHE
8

O presidente Michel Temer inaugurou nesta sexta-feira, 7, a galeria de retratos dos secretários de Segurança Pública do Estado de São Paulo, no próprio edifício da secretaria. O evento contou com a participação do atual prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), mas teve acesso da imprensa restrito.

Colômbia diz que 60 militares venezuelanos pediram refúgio

Mais de 60 militares venezuelanos pediram refúgio em território colombiano neste sábado, disse o...

Senado estuda montar comissão para acompanhar ajuda humanitária

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse hoje que vai reunir os senadores...

Militares veem agressão ao Brasil e dizem que Bolsonaro deve se manifestar

As primeiras impressões de oficiais do Exército envolvidos na Operação Acolhida e integrantes do...

Em um discurso improvisado, Temer voltou a defender sua passagem pela Presidência da República, uma prática que se tornou recorrente em praticamente todas as agendas oficiais neste fim de mandato. “Atos populistas são aplaudidos hoje e vaiados amanhã. Já os atos populares não são compreendidos hoje, mas são aplaudidos amanhã. É isso que fizemos no nosso governo”, comentou Temer, citando o teto de gastos públicos e a reforma trabalhista, medidas aprovadas durante sua gestão.

O presidente declarou que estava entre iguais. “É momento para revelar agradecimento extraordinário”, disse. “A ideia de criar o ministério da Segurança Pública foi turbinada pelo próprio Alexandre de Moraes”, explicou. “Ao fazermos a integração entre os setores de Segurança Pública, temos centralizado a inteligência”, afirmou Temer.

Continua depois da publicidade

Sob o argumento de falta de espaço pela assessoria de comunicação da Presidência da República, a imprensa foi alocada em um auditório em andar diferente daquele onde se encontra a galeria de fotos – e teve de acompanhar a cerimônia por um telão.

Em duas ocasiões, Temer liderou a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, de 1984 a 1986 e após o massacre do Carandiru, em 1992.

“É uma grande alegria participar deste momento”, disse Alexandre de Moraes. “É a única Secretaria no Estado que não tinha uma galeria de fotos. É um resgate histórico”, declarou.

Caio Rinaldi
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade