Economia

Energia elétrica cai 4,04% e tem maior impacto negativo no IPCA de novembro

COMPARTILHE
5

Os preços da conta de luz e dos combustíveis foram os que mais contribuíram para a deflação registrada no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de novembro, que registrou queda de 0,21%, como informou mais cedo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a menor taxa do IPCA para meses de novembro desde a implantação do Plano Real, em 1994.

Trabuco: expectativa é de retomada do crédito para recomposição da indústria

O presidente do conselho de administração do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, afirmou que a...

Salários no Reino Unido avançam no ritmo mais forte em uma década

Os salários pagos aos trabalhadores no Reino Unido avançaram ao ritmo mais forte em...

Trabuco, sobre Caixa e BB: 'Sempre estaremos dispostos a olhar'

O presidente do conselho de administração do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, afirmou que o...

Isoladamente, a energia elétrica foi o item com maior contribuição negativa para o IPCA de novembro, com -0,16 ponto porcentual (p.p.), após registrar queda de 4,04% ante outubro. Com isso, o item energia elétrica, que até outubro acumulava alta de 15,54%, passou a acumular no ano alta de 10,88%.

“As áreas apresentaram variação entre os -6,83% da região metropolitana de Fortaleza e os 4,31% de Goiânia. A alta nesta última deveu-se ao reajuste de 15,56% nas tarifas, em vigor desde 22 de outubro. A queda nas demais foi motivada pela mudança na bandeira tarifária. Em novembro, passou a vigorar a bandeira amarela, com a cobrança adicional de R$0,01 para cada kwh consumido. Em outubro, a cobrança adicional era de R$0,05 por kWh consumido”, diz a nota divulgada pelo IBGE.

Continua depois da publicidade

Por causa da conta de luz, o grupo Habitação registrou deflação de 0,71% no IPCA de novembro, com impacto negativo de 0,11 p.p. no índice de novembro. O grupo de maior contribuição negativa em novembro foi Transportes, com queda de 0,74% e -0,14 p.p. no IPCA.

Os combustíveis, com queda de 2,42% foram destaque no grupo Transportes. “A gasolina ficou, em média, 3,07% mais barata em novembro. Já as quedas do óleo diesel e do etanol foram menos intensas, -0,58% e -0,52%, respectivamente, ante as altas de 2,45% e 4,07% registradas em outubro. O gás veicular seguiu a trajetória de alta, passando de 0,06% para 5,45% em novembro. Regionalmente, todas a áreas pesquisadas apresentaram queda de preços na gasolina, ficando entre os -5,35% registrados em Brasília e o -1,06% da região metropolitana do Rio de Janeiro”, diz a nota da IBGE.

O órgão destacou ainda que, no grupo Transportes, o item passagem aérea também desacelerou, com alta de 2,92% frente aos 7,49% de outubro.

Vinicius Neder
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade