Economia

Dólar tem 4ª alta seguida sem leilão de linha e com indefinição de corte da Opep

COMPARTILHE
6

O dólar à vista segue em alta pela quarta sessão seguida, após acumular ganhos de 1,03% desde terça-feira, dia 4, e de ter ultrapassado na quinta-feira (6) os R$ 3,94 no intraday com expectativas de que o Banco Central anunciasse leilão de linha para esta sexta, dia 7, o que não ocorreu – fato que ajuda a adicionar pressão aos negócios. Por enquanto, está programado apenas um leilão de rolagem de swap cambial que vence em janeiro no fim da manhã (11h30).

Salários no Reino Unido avançam no ritmo mais forte em uma década

Os salários pagos aos trabalhadores no Reino Unido avançaram ao ritmo mais forte em...

Trabuco, sobre Caixa e BB: 'Sempre estaremos dispostos a olhar'

O presidente do conselho de administração do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, afirmou que o...

CVM condena presidente da Abrasca e outros 4 conselheiros da Melhoramentos

O presidente da Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca), Alfried Plöger, e outros quatro...

No exterior, a moeda americana exibe leves altas generalizadas, à espera de uma entrevista da Opep e aliados (10h), que poderá anunciar o tamanho de um corte esperado na produção da commodity, e também pelo relatório de emprego dos EUA referente a novembro.

Nesta quinta-feira, a pesquisa da ADP sobre criação de vagas no setor privado americano frustrou as expectativas e ajudou a pressionar para cima a divisa americana em relação a moedas emergentes e ligadas a commodities.

Continua depois da publicidade

O chamado “payroll”, que será divulgado nesta sexta às 11h30, inclui o desempenho do setor público. De todo modo, serve de limitador para o avanço do dólar no exterior nesta manhã uma reportagem do Wall Street Journal segundo a qual dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) tendem a ser mais cautelosos no aperto da política monetária, após um esperado novo aumento dos juros básicos na reunião dos próximos dias 18 e 19.

Às 9h51, o dólar à vista renovava máxima, a R$ 3,9198 (+1,01%), paralelamente à máxima do dólar futuro de janeiro, em R$ 3,9230 (+1,04%). Na renda fixa, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021, mais negociado, indicava baixa para 7,84%, de 7,91% no ajuste de quinta.

Silvana Rocha
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade