Geral

SP registra 25 casos de maus-tratos a animais por dia

COMPARTILHE
4

O caso do cãozinho “Manchinha”, que morreu após ser agredido por um segurança do Carrefour, não é um caso isolado de maus-tratos a animais. Em dois anos de funcionamento, a Delegacia Eletrônica de Proteção Animal (Depa), da Secretaria da Segurança Pública (SSP), recebeu mais de 16 mil denúncias de agressões e violência contra animais domésticos. Muitas foram feitas por celular, com o envio de fotos e vídeos.

Transpetro já recolheu 45 mil litros de óleo que vazou de seu duto

Pelo menos 45 mil litros de óleo (de um total de 60 mil vazados...

Editora suspende distribuição de livro sobre João de Deus

A editora Companhia das Letras anunciou nesta segunda-feira, 10, que suspendeu a distribuição do...

Em um dia, força-tarefa do MP de Goiás recebe 40 denúncias sobre João de Deus

A força-tarefa do Ministério Público de Goiás criada para investigar os casos de abuso...

De janeiro ao início de novembro, foram 8.162 denúncias – 25 por dia. Em todo o ano passado, haviam sido 8.193. Praticamente todas foram acatadas e verificadas. Segundo a Depa, em muitos casos os animais foram salvos. A delegacia foi criada pela Lei 16.303, do deputado estadual Feliciano Filho (PRP). “A ideia foi da protetora Raquel Sturari, que cuida voluntariamente de animais vítimas de maus-tratos e enxergou na Depa a oportunidade de diminuir a impunidade dos que maltratam animais”, disse.

Segundo o parlamentar, há mais relatos de maus-tratos em redes sociais do que nas delegacias de polícia e a falta de estatísticas dificulta a elaboração de políticas públicas em prol dos animais. “Infelizmente, o número de crimes contra animais é grande e espero que essas informações auxiliem também no aumento das penas.”

Continua depois da publicidade

De acordo com a SSP, muitas queixas se referem a “cativeiro” – termo usado pelos denunciantes para relatar que o animal está confinado em ambiente pequeno, sem condições de higiene e alimentares adequadas, informando também que o tutor não leva o animal para passear, deixando-o preso.

Segundo Feliciano, muitas pessoas desistem de denunciar maus-tratos por falta de tempo, medo de represálias de vizinhos ou receio de não receber a devida atenção na delegacia comum. “Com a Depa, as pessoas fazem a denúncia pelo site e pelo celular, anexando fotos, vídeos e testemunhos, e ainda podem manter os dados pessoais em sigilo.”

Após receber a denúncia, a secretaria tem até dez dias para dar um retorno sobre o caso. É feita uma análise da ocorrência e, caso a denúncia seja validada, é encaminhada para a unidade policial mais próxima. O denunciante fica sabendo se a denúncia foi acatada por meio do número de protocolo. Conforme a secretaria, ao flagrar atos de crueldade grave, no entanto, que necessitem de atuação imediata, a pessoa deve acionar o 190 da Polícia Militar.

Exemplo

Foi o que aconteceu na noite de quarta-feira, dia 5, quando um caminhoneiro foi preso, depois de atirar contra uma cadela na zona norte de São Paulo. A cachorra “Pintada” foi socorrida por policiais militares, que até se dispuseram a fazer um rateio para custear seu atendimento, mas um hospital particular assumiu o tratamento. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

José Maria Tomazela
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade