Geral

Governo do Estado reduz repasses e Metrô atrasa pagamentos

COMPARTILHE
6

A gestão Márcio França (PSB) reduziu os repasses do governo do Estado para o Metrô de São Paulo e, com menos verba do que o previsto, a empresa atrasou pagamentos de obras nos meses de outubro e novembro. O governo estadual promete regularizar a situação antes de a gestão João Doria (PSDB) assumir, em janeiro, e afirma que nenhuma obra parou.

STJ manda soltar quatro policiais de SP envolvidos em tiroteio em MG

O ministro Reynaldo Soares da Fonseca, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), concedeu liminar...

Atirador de Campinas cita vontade de 'fazer algo grande' em anotações

Em trechos de novas anotações do atirador da Catedral de Campinas, divulgados nesta sexta-feira,...

Réveillon na Paulista terá Gal Costa, Jorge Ben Jor e shows de humor

A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta sexta-feira, 14, a programação oficial da festa...

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo apurou, em dois meses, as faturas vencidas somaram R$ 74,3 milhões. A gestão França não confirmou o valor, mas informou na quarta-feira, 5, que parte dos recursos, R$ 47 milhões, estava sendo liberada. Neste ano, a previsão no orçamento era de que os repasses para investimentos do Metrô, especialmente a compra de material rodante (trens) e obras de expansão de linhas, somassem R$ 2,3 bilhões.

Entretanto, os dados financeiros da estatal mostram que, até novembro, apenas R$ 1,5 bilhão dessa verba foi de fato repassada, ou 65% do total previsto. No ano passado, o total liberado, R$ 3,3 bilhões, chegou a superar a previsão original, que era de R$ 2,9 bilhões.

Continua depois da publicidade

Uma das empreitadas em andamento, com amplo histórico de atrasos, é a Linha 17-Ouro, o monotrilho que passa na Avenida Jornalista Roberto Marinho, na zona sul. A maior parte da obra é feita por um consórcio liderado pela empreiteira Tiisa, que está na lista de empresas com quem o Metrô tem dívida. Sem falar em valores, a empreiteira confirmou o atraso em dois contratos.

“Os pagamentos respectivos foram efetuados em valor inferior à metade das faturas em questão”, informou a empresa. Só com a Tiisa, a dívida seria de R$ 18 milhões, embora não haja confirmação oficial.

A reportagem do Estado conversou com representantes de outros três grandes fornecedores de materiais e serviços do Metrô. Todos citaram atrasos, mas disseram que não comentariam o assunto por questões contratuais. A Camargo Corrêa, que também participa da Linha 17, enviou nota, informando apenas que “as obras estão sendo executadas normalmente”.

Conforme a Lei de Responsabilidade Fiscal, obras já liquidadas (serviços concluídos) têm de ser pagas no mesmo exercício fiscal. Caso contrário, ficam os chamados “restos a pagar”, o que é vedado pela legislação. Segundo o professor de Direito Adib Kassouf Sad, que foi presidente da Comissão de Direito Administrativo da Ordem dos Advogados do Brasil, seção São Paulo (OAB-SP), deixar “restos a pagar” pode constituir ato de improbidade administrativa. “Depende se foi comprovado que houve dolo (intenção) do gestor em deixar essa dívida.”

Acerto futuro

O governo estadual informou, por nota, que honrará os compromissos. “Prova disso foi a liberação, nesta quarta-feira, de R$ 47 milhões para o Metrô, como previsto”, diz a nota do governo, que destacou que nenhuma obra chegou a ser paralisada. A equipe de transição de Doria não comentou o assunto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Bruno Ribeiro
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade