Variedades

'Game of Thrones' é atração da Comic Con

COMPARTILHE
23

Não tem idade certa para ser fã de cultura pop. Suely Gemmi, de 67 anos, estava em frente a um castelo montado pelo canal HBO, inspirado pela série Game of Thrones, vestida como a personagem Olenna Tyrell (Diana Rigg), no primeiro dia da Comic Con Experience, a CCXP, de 2018, em São Paulo, nesta quinta, 6. Em apenas alguns minutos, dezenas de pessoas pediram para tirar foto. “Estou me divertindo, melhor que ficar em casa no sofá”, ela brinca.

Fátima Bernardes relembra dia em que passou por trote de Bussunda na UFRJ

A apresentadora Fátima Bernardes contou uma história curiosa no Encontro com Fátima Bernardes desta...

Netflix anuncia fim de 'Jessica Jones' e 'O Justiceiro'

A Netflix anunciou que as séries Jessica Jones e O Justiceiro serão canceladas. A...

Conhecido pela série 'Glee', Darren Criss se casa com Mia Swier nos EUA

O ator Darren Criss, de 32 anos, casou-se no sábado, 16, com a produtora...

A filha de Suely, Camila, de 30, faz cosplay há cinco com a ajuda da mãe. Resolveu também ir vestida inspirada por Game of Thrones, como a personagem Sansa (Sophie Turner). Para ela, se fantasiar é uma paixão. “Ver o encanto das pessoas quando elas chegam perto e se referem a você como o personagem, para mim, é muito gratificante”, diz.

Game of Thrones, sem dúvidas, era a grande atração do primeiro dia. Os criadores da série, David Benioff e D.B. Weiss, além dos atores Maisie Williams e John Bradley, que vivem Arya Stark e Samwell Tarly, respectivamente, vieram ao Brasil especialmente para um painel sobre a série, que teve o auditório lotado, com centenas de fãs do lado de fora lutando para entrar. Recepcionadas por uma orquestra, que tocou a música-tema de Thrones, as quatro estrelas subiram ao palco, com direito a palavras em português de Maisie. “E aí, galera, vamos ferver?”, arriscou.

Continua depois da publicidade

Os quatro se revezaram fazendo perguntas genéricas uns aos outros, mas o que o público realmente queria – ouvir novidades sobre a 8ª e última temporada, que estreia em abril do ano que vem – não aconteceu. O painel quase ignorou a temporada final, a não ser por um pequeno depoimento de Benioff sobre o último dia de gravações. “No último dia, Weiss e eu dirigimos o episódio final, havia um cenário de ruínas e destruição. Nós dois tiramos uma foto, sozinhos, porque foi assim que começamos na série.” Ao final, nenhum trailer, apenas um pequeno teaser animado, com a luta entre o fogo e o gelo.

Diversão variada

Do lado de fora, o estande da HBO, com atrações interativas inspiradas na série, reunia cosplayers inspirados por Game of Thrones nos arredores. As amigas Amanda Carvalho e Vanessa Silvestre, de 28 e 25 anos, decidiram ir, juntas, vestidas como Daenerys Targaryen (Emilia Clarke). Apesar de muita gente ter disputado ingressos para o painel da série, as duas afirmam não fazer questão da experiência.

“Viemos para ver a feira. O painel acaba atrapalhando, devido ao tempo que a gente tem que ficar lá”, acredita Vanessa.

As atrações, de fato, vão além do painel. São dezenas de lojas de roupas e produtos colecionáveis, uma área para fã de games, um espaço para jovens artistas e ainda os estandes de grandes empresas do entretenimento, seja no cinema ou na TV, que usam a CCXP para divulgar suas atrações próximas. Segundo a organização do evento, são esperados 260 mil visitantes até domingo, nos quatro dias de feira. A estimativa é de 130 horas de programação.

Nesta edição, pelo menos nos estandes, as séries de TV parecem ter um destaque maior. A Netflix montou uma réplica da Casa da Moeda espanhola vista em La Casa de Papel, que também gera uma fila gigantesca. Já o Globoplay montou um simulador de voo de helicóptero, por conta da recém-lançada série Ilha de Ferro.

Neste primeiro dia, a Amazon Prime Video realizou um painel com o ator Ricky Whittle, o Shadow Moon da série American Gods, para falar sobre a segunda temporada, que estreia em março do ano que vem. O ator cativou o público e reencenou situações curiosas dos bastidores da série, como quando ele e o colega Pablo Schreiber se feriram, sem querer, numa cena de luta. “Nos machucamos, mas ficou uma cena maravilhosa.”

Além das brincadeiras, ele contou um pouco sobre o futuro da produção, inspirada na obra de Neil Gaiman. “Mesmo que você tenha lido o livro não sabe o que está por vir”, revela, antes de fazer mistério. “Se a primeira temporada foi de ‘is’, a segunda será de ‘tchaus’.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Pedro Rocha, especial para o Estado
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade