Internacional

Soube antes da prisão de executiva chinesa, mas caso não é político, diz Trudeau

COMPARTILHE
4

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, afirmou nesta quinta-feira que soube antecipadamente que ocorreria a prisão da executiva chinesa Meng Wanzhou, diretora financeira da gigante de telecomunicações Huawei. Trudeau disse, porém, que a decisão foi das forças de segurança, sem qualquer interferência política no caso.

Irã diz estar pronto para se defender após EUA enviarem tropas ao Oriente Médio

Oficiais do governo do Irã afirmam que o país está preparado para responder a...

Princesa Charlotte vai para a escola com George em setembro

O Palácio de Kensington anunciou nesta sexta-feira, 24, que a princesa Charlotte, de quatro...

Eleições europeias continuam na República Tcheca, Eslováquia, Malta e Letônia

As eleições ao Parlamento Europeu estão tendo continuidade na República Tcheca, na Eslováquia, em...

Wanzhou e a Huawei são suspeitos de atuar para a evasão de divisas para que o Irã contornasse sanções impostas pelos EUA e a executiva foi detida no sábado por autoridades canadenses, a pedido de autoridades americanas. Mas o episódio pode também complicar mais as divergências comerciais entre Pequim e Washington.

O Ministério das Relações Exteriores chinês exigiu que o Canadá liberte Meng, filha do fundador da Huawei. Ela pode ser extraditada para os EUA.

Continua depois da publicidade

Trudeau afirmou que seu governo respeita a independência do Judiciário e que não há envolvimento político no caso. Ele disse ainda que há uma proibição de se publicar material sobre o processo neste momento e que não poderia falar mais, portanto. O premiê comentou ainda que não teve conversas diretas ou indiretas com a China sobre o caso. Fonte: Associated Press.

Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade