Internacional

Soube antes da prisão de executiva chinesa, mas caso não é político, diz Trudeau

COMPARTILHE
3

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, afirmou nesta quinta-feira que soube antecipadamente que ocorreria a prisão da executiva chinesa Meng Wanzhou, diretora financeira da gigante de telecomunicações Huawei. Trudeau disse, porém, que a decisão foi das forças de segurança, sem qualquer interferência política no caso.

Candidatos à presidência da Nigéria culpam um ao outro por adiamento de eleição

Os dois principais candidatos à presidência da Nigéria condenaram neste sábado a surpreendente decisão...

Quênia retira embaixador na Somália em meio a conflito sobre território marítimo

O secretário de Relações Exteriores do Quênia, Macharia Kamau, afirmou que o país retirou...

Líder do Hezbollah critica Trump sobre combate contra Estado Islâmico na Síria

O líder do grupo Hezbollah criticou o presidente dos EUA, Donald Trump, antes de...

Wanzhou e a Huawei são suspeitos de atuar para a evasão de divisas para que o Irã contornasse sanções impostas pelos EUA e a executiva foi detida no sábado por autoridades canadenses, a pedido de autoridades americanas. Mas o episódio pode também complicar mais as divergências comerciais entre Pequim e Washington.

O Ministério das Relações Exteriores chinês exigiu que o Canadá liberte Meng, filha do fundador da Huawei. Ela pode ser extraditada para os EUA.

Continua depois da publicidade

Trudeau afirmou que seu governo respeita a independência do Judiciário e que não há envolvimento político no caso. Ele disse ainda que há uma proibição de se publicar material sobre o processo neste momento e que não poderia falar mais, portanto. O premiê comentou ainda que não teve conversas diretas ou indiretas com a China sobre o caso. Fonte: Associated Press.

Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade