Economia

Bolsas de NY fecham na maioria em queda; tecnologia impulsiona Nasdaq

COMPARTILHE
9

As bolsas de Nova York fecharam na maioria em baixa nesta quinta-feira, 6, em um dia marcado pela cautela dos investidores com o comércio e o crescimento globais e de fraqueza do petróleo, que pressionou o setor de energia. Mais para o fim do pregão, contudo, houve melhora no cenário, com investidores ponderando sobre a possibilidade de o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) ser mais cauteloso nas elevações de juros, enquanto ações de tecnologia impulsionaram o índice Nasdaq ao território positivo.

Trabuco: expectativa é de retomada do crédito para recomposição da indústria

O presidente do conselho de administração do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, afirmou que a...

Salários no Reino Unido avançam no ritmo mais forte em uma década

Os salários pagos aos trabalhadores no Reino Unido avançaram ao ritmo mais forte em...

Trabuco, sobre Caixa e BB: 'Sempre estaremos dispostos a olhar'

O presidente do conselho de administração do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, afirmou que o...

O índice Dow Jones fechou em queda de 0,32%, em 24.947,67 pontos, o Nasdaq avançou 0,42%, a 7.188,26 pontos, e o S&P 500 teve baixa de 0,15%, a 2.695,95 pontos, em uma sessão marcada também pela volatilidade.

A prisão da diretora executiva da gigante Huawei, Meng Wanzhou, em Vancouver, a pedido dos Estados Unidos, gerou mais cautela sobre o diálogo entre americanos e chineses no comércio. A China já pediu a liberação imediata da executiva e o caso pode ser mais um entrave no diálogo bilateral.

Continua depois da publicidade

Mais para o fim do pregão, as ações reduziram perdas, em meio a dúvidas sobre a trajetória do Fed. O Wall Street Journal reportou que dirigentes do BC avaliam o caminho a seguir no próximo ano e essa reflexão poderia levar a uma maior calma no ritmo do aperto monetário. Entre os dirigentes, o presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, afirmou que os EUA estão próximos do nível neutro da taxa de juros, enquanto a economia do país enfrenta incertezas que podem desacelerar o crescimento.

Na avaliação de Chris Rupkey, diretor-gerente do banco MUFG, o governo americano precisa reavaliar sua postura no comércio, ou o mercado acionário pode enfrentar um “completo colapso” em 2019, o que poderia materializar previsões de recessão no país.

Entre as ações em foco hoje, Caterpillar e Apple recuaram acima de 1,5%, enquanto Chevron e Exxon caíram mais de 2%, diante da fraqueza do petróleo. Já Alphabet (Google) subiu 1,70%, após o banco de investimentos Guggenheim recomendar a compra do papel e prever valorização.

Nesta sexta-feira, há expectativa pela publicação do relatório mensal de criação de empregos (payroll), um sinal importante da economia americana. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Gabriel Bueno da Costa
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade