Economia

Juros invertem alta e fecham em baixa com avanço menor do dólar e Bostic

COMPARTILHE
9

Os juros futuros zeraram a alta e passar a cair na última hora de negócios desta quinta-feira, 6, refletindo alguma redução do nível de aversão ao risco no exterior, que também diminuiu a pressão sobre as moedas emergentes. A melhora ocorreu principalmente depois das declarações do presidente da distrital de Atlanta do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Raphael Bostic, de que os juros nos Estados Unidos estão próximos do patamar neutro, no período da tarde.

'Espinha dorsal da reforma tem de ficar', diz Marinho

Um dos articuladores da reforma da Previdência, o secretário especial de Previdência e Trabalho,...

Proposta para militares deve chegar ao Congresso antes do prazo, diz Marinho

O projeto que muda as regras de inatividade dos militares das Forças Armadas pode...

Oposição venezuelana se prepara para entrega de ajuda humanitária

Líderes da oposição venezuelana se preparam para a entrega de ajuda humanitária à população....

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 fechou em 6,880%, de 6,942% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2020 caiu de 7,973% para 7,91%. A taxa do DI para janeiro de 2023 terminou na mínima de 9,13%, de 9,183% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2025 recuou de 9,772% para 9,70%. O dólar, que pela manhã já esteve acima dos R$ 3,94, era cotado em R$ 3,8908 (+0,61%) às 16h36.

Após passarem a manhã pressionados pelo exterior e pelo avanço do dólar, os juros começaram a esboçar melhora a partir da última hora de negócios, na medida em que a moeda americana desacelerava os ganhos.

Continua depois da publicidade

Já na reta final da sessão regular, as taxas viraram para queda e passaram a bater mínimas. “Temos o Bostic falando que os EUA estão próximos do juro neutro. Com isso, todas as moedas melhoraram e o DI veio junto”, explicou o operador da Renascença DTVM, Luis Felipe Laudisio.

O presidente do Fed de Atlanta afirmou que o País está “a uma curta distância do nível neutro da taxas de juros”, apenas reforçando o que já havia dito o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, na semana passada, e a expectativa de que o aperto monetário nos EUA possa ser encurtado. Mas o efeito sobre o mercado é potencializado porque nos últimos dias vêm crescendo as preocupações com uma possível recessão nos Estados Unidos, a partir da inversão da curva de juros norte-americana.

Os investidores estão ainda de olho na reunião da Opep, que acontece em Viena. Autoridades do Irã afirmaram que o grupo “chegou a algum tipo de acordo sobre a produção”, mas que há muito “descontentamento” na sala de discussão. Os preços do petróleo seguem em queda de mais de 3%, com o barril WTI para janeiro na Nymex cotado em US$ 50,95 (-3,65%) às 16h22.

Denise Abarca
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade