Política Nacional

Onyx diz que Funai ficará no ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos

COMPARTILHE
9

O ministro da transição de governo, Onyx Lorenzoni, anunciou nesta quinta-feira, 6, que a Fundação Nacional dos Índios (Funai) vai ser integrada ao Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. A advogada e pastora evangélica, Damares Alves, será responsável pela Pasta.

Conselhão mira remoções e promoções no Ministério Público de SP

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) vai realizar entre os dias 14 e...

Toffoli suspende veto a Crivella sobre uso de máquina pública

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, suspendeu decisão da 7.ª Vara...

Juízes da Paraíba poderão ‘vender’ férias para ganhar mais

O presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), Joás de Brito Pereira Filho,...

“A minha história de luta com os povos indígenas me qualifica para estar cuidando também da Funai. Funai não é problema; o presidente só estava esperando o melhor lugar para colocar a Funai e nós entendemos que é o Ministério dos Direitos Humanos, porque índio é gente e o índio precisa ser visto de uma forma como um todo. Índio não é só terra, índio também é gente”, disse Damares. Ela assessorou a CPI da Funai em 1991 e tem uma filha índia.

Declarações do presidente eleito, Jair Bolsonaro, nos últimos dias, comparando a permanência de índios em reservas a animais em zoológicos, e o impasse para decidir o destino da Funai provocaram reação de representantes dos povos indígenas.

Continua depois da publicidade

Nesta quinta-feira, um grupo de índios foi até o centro de transição para entregar um documento ao presidente eleito pedindo que mantenha a Funai na estrutura do Ministério da Justiça.

Segundo o porta-voz do grupo, Kretã Kayangang, a Justiça é a única pasta preparada para ficar com a Funai. “Nenhum ministério está preparado para lidar com conflitos fundiários, o único é o da Justiça”, declarou.

A futura ministra disse que é preciso conversar muito sobre a demarcação de terras indígenas. O assunto já foi alvo de críticas de Bolsonaro, que prometeu não demarcar mais “nenhum centímetro” de terra indígena caso fosse eleito.

“Acredito que quando o presidente falou, ele tinha informações muito importantes para falar isso. Ele tinha embasamento. Eu, particularmente, questiono algumas áreas indígenas, mas vamos discutir e sempre integrados com outros ministérios; não vai ser uma decisão só dos Direitos Humanos”, declarou Damares.

Luisa Marini, especial para AE, e Julia Lindner
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade