Economia

Bolsas da Europa fecham em queda forte com comércio, petróleo e Brexit

COMPARTILHE
11

As bolsas europeias tiveram jornada bastante negativa nesta quinta-feira, 6, em um quadro de forte aversão ao risco entre investidores. A prisão de uma executiva da gigante chinesa Huawei gerou o temor de mais dificuldades para o diálogo sobre comércio entre a China e os Estados Unidos. Além disso, o petróleo teve queda forte, em meio a dúvidas sobre o que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados podem decidir nesta semana sobre a oferta, o que colaborou para a fraqueza nas praças.

Caminhoneiros da região de Barra Mansa fazem protesto sobre frete na Dutra

Caminhoneiros que atuam na região de Barra Mansa (RJ) fazem manifestação no quilômetro 275...

Ibovespa abre em leve alta, mas preocupação externa pode contaminar negócios

As preocupações com a economia mundial, em especial os Estados Unidos, devem continuar norteando...

Petrobras inicia fase não vinculante para cessão de 3 campos terrestres

A Petrobras informou na manhã desta segunda-feira, 10, em comunicado ao mercado, que deu...

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 3,09%, em 343,31 pontos.

A diretora executiva da Huawei, Meng Wanzhou, foi presa no Canadá no sábado, a pedido de autoridades americanas, informaram autoridades canadenses na noite de quarta-feira. Os EUA suspeitam que a empresa tenha ajudado o Irã a contornar sanções. A notícia surge em um momento delicado para as negociações comerciais entre Washington e Pequim, o que motivou maior cautela nos mercados. Analistas ainda têm mostrado recentemente menos otimismo sobre a economia dos EUA e do mundo como um todo no próximo ano.

Continua depois da publicidade

Além disso, o petróleo caiu fortemente, de olho nos sinais da Opep e seus aliados, como a Rússia, que decidem nesta sexta-feira se cortam a oferta para tentar reequilibrar os preços. Na própria Europa, continua a incerteza sobre o processo de saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado Brexit. Não está claro se o Parlamento britânico aprovará na próxima semana a versão do divórcio fechada pelo governo da premiê Theresa May, nem o que pode ocorrer depois da votação.

Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em queda de 3,15%, em 6.704,05 pontos, na mínima de fechamento desde dezembro de 2016. BP e Royal Dutch Shell recuaram 4,50% e 4,45%, respectivamente. A mineradora Antofagasta teve baixa de 7,1%.

Em Frankfurt, o índice DAX recuou 3,48%, a 10.810,98 pontos. A ação do Deutsche Bank recuou 4,43%, perto das mínimas históricas, o que levou o banco a lembrar a investidores a estabilidade da companhia alemã, mesmo diante de uma série de notícias negativas, entre elas uma batida policial na sede em Frankfurt na semana passada. Commerzbank caiu 6,66% e Daimler, 6,18%.

O índice CAC-40, da bolsa de Paris, teve baixa de 3,31%, a 4.780,46 pontos. Entre os papéis mais negociados, AXA caiu 3,28%, Orange cedeu 1,72% e Total, 2,91%.

Em Milão, o índice FTSE-MIB caiu 3,54%, a 18.643,83 pontos. Entre os bancos italianos, Intesa Sanpaolo recuou 5,15%, BPM teve baixa de 5,06% e UniCredit, 5,57%. ENI caiu 3,19%, no setor de energia.

Na bolsa de Madri, o índice IBEX-35 fechou com queda de 2,75%, em 8.764,50 pontos. Entre os papéis em destaque, Santander caiu 3,84% e Vértice Trescientos recuou 5,62%, enquanto BBVA teve baixa de 3,58%.

Em Lisboa, o índice PSI-20 recuou 2,10%, a 4.817,69 pontos. Banco Comercial Português caiu 2,57% e Galp, 3,35%. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Gabriel Bueno da Costa
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade