Economia

Mercado de cartões deve alcançar marca de R$ 2 tri em 2019, diz Mastercard

COMPARTILHE
9

O mercado de cartões no Brasil vai acelerar seu ritmo de expansão no próximo ano e tem potencial para alcançar a marca de R$ 2 trilhões, de acordo com o presidente da Mastercard, João Pedro Paro Neto. Para o próximo ano, o executivo acredita que a taxa de expansão do segmento deve ficar entre 16% e 17%.

'Não vamos liquidar a Gafisa', diz presidente

A nova gestão da Gafisa tem plano de gerar valor para a incorporadora no...

Empresas pressionam por redução dos subsídios que encarecem conta de luz

As empresas estão pressionando para que os subsídios embutidos na conta de luz de...

Representantes de Ghosn resgatam bens em apartamento no Rio de Janeiro

A Nissan informou ontem que representantes do presidente do conselho deposto, Carlos Ghosn, recuperaram...

“Fechamos o ano melhor do que iniciamos. Avançamos em relação à substituição do dinheiro pelo cartão. Teremos um volume financeiro de cerca de R$ 1,6 trilhão e devemos chegar aos R$ 2 trilhões no ano que vem”, projetou o presidente da Mastercard, em conversa com a imprensa, nesta tarde.

No acumulado do ano, entre janeiro e setembro, o uso dos cartões chegou a R$ 1,11 trilhão, com crescimento de 14% em relação ao mesmo intervalo de 2017, conforme dados mais recentes da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs). A entidade espera que o valor transacionado supere a casa do R$ 1,5 trilhão em 2018.

Continua depois da publicidade

Ao fazer uma análise do desenvolvimento do setor de cartões no Brasil nos últimos anos, o presidente da Mastercard afirmou que o segmento conseguiu crescer com segurança, investiu em tecnologia a partir de métodos alternativos de pagamento como por aproximação, e, principalmente, reduziu a participação do dinheiro na economia brasileira. Segundo ele, o compromisso assumido do mercado junto ao Banco Central é de alcançar uma participação de 60% no País em cinco anos. Atualmente, é, conforme Paro Neto, de cerca de 35%. Era de 30% a 31% no ano passado.

“Acho a meta factível. Se conseguimos alcançar será fantástico. Vamos praticamente dobrar a penetração do setor de cartões da economia brasileira”, disse o presidente da MasterCard.

Aline Bronzati
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade