Economia

Regra de transição emperra reforma da Previdência

COMPARTILHE
18

O desenho da proposta de reforma da Previdência do futuro governo Jair Bolsonaro ainda está em aberto e um dos principais pontos ainda sem definição é a velocidade da transição para quem já está contribuindo para a aposentadoria. Segundo apurou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, a equipe de transição ainda analisa quais medidas são conciliáveis com a viabilidade política de aprovação. Diante das indefinições, o grupo que conduz as discussões ainda não fez nenhuma apresentação técnica ao presidente eleito ou ao futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

A governadores, Salim Mattar diz que União vai ajudar Estados a vender estatais

O secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar, disse hoje a...

Judiciário prepara pacote de medidas para agilizar as recuperações judiciais

Integrantes do Judiciário preparam um pacote de medidas para agilizar o processo de recuperação...

México amplia cota livre de taxação para importar frango brasileiro

/com informações Agência Brasil   O governo mexicano ampliou em 55 mil toneladas a cota livre...

Há o consenso de que a proposta trará a fixação de uma idade mínima, mas seu patamar ainda não está totalmente definido. O mais provável, no entanto, é que a idade mínima final (após a transição) fique próxima das que já constam na proposta em tramitação no Congresso, de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens.

O mecanismo da transição também pode ser semelhante à proposta de Temer, com um “pedágio” sobre o tempo que falta hoje para a aposentadoria e idades mínimas progressivas, mas a velocidade desse processo e os pontos de partida para a idade ainda estão em discussão.

Continua depois da publicidade

Para que a proposta seja viável politicamente, existe um entendimento no grupo de que é preciso evitar entrar em rota de colisão com os servidores, um dos grupos que mais pressionaram pela derrota da reforma da Previdência no governo Temer. O consenso até agora é que, embora a igualdade de regras entre os regimes próprios de servidores e o do INSS seja um pilar importante, dificilmente será exigida desde já a idade mínima final dos funcionários públicos que ingressaram até 2003 para que mantenham o direito às chamadas integralidade (aposentadoria com o último salário da carreira) e paridade (reajustes iguais aos dos servidores ativos).

Esse foi o ponto central dos embates entre as categorias e o Congresso Nacional desde o início das discussões da reforma, e as lideranças já alertaram que a proposta não passa se o novo governo insistir nesse ponto.

Para fechar o desenho final, estão em análise três propostas: uma coordenada pelo ex-presidente do Banco Central Arminio Fraga e pelo economista Paulo Tafner, outra do economista Fabio Giambiagi e uma terceira elaborada pelos irmãos Arthur e Abraham Weintraub, professores da Unifesp que integram a transição. Existe a possibilidade de um novo texto ser construído com os elementos dessas três alternativas.

Fatiamento

Nos últimos dias, Bolsonaro afirmou que a reforma da Previdência deve ser “fatiada”. Segundo apurou a reportagem, embora haja defensores de uma proposta única dentro da equipe, a reforma pode ser feita em partes e de forma “suave” para o trabalhador. Outra possibilidade de fatiamento é o envio de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para estabelecer idade mínima e transição, seguida de leis infraconstitucionais para dispor sobre outros pontos, como regra de cálculo de benefícios. Há a avaliação de que não há necessidade de constitucionalizar todos os temas. Ainda nesta terça-feira, 5, o presidente eleito disse que quer votar a reforma no primeiro semestre de 2019.

O momento do envio da proposta para criar no Brasil um regime de Previdência por capitalização, pelo qual os trabalhadores contribuem para contas individuais, tampouco está decidido e há na equipe de transição quem seja contra essa medida, apresentada como um dos pilares pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes.

A capitalização é uma medida que depende de PEC, assim como a revisão das regras do abono salarial que também está em estudo pela transição. O benefício é pago a trabalhadores de qualquer idade que ganhem até dois salários mínimos. Como antecipou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, entre as possibilidades estão a restrição do abono a quem ganha até um salário mínimo ou o fim do benefício.

Em meio às discussões sobre a proposta de reforma da Previdência, Bolsonaro passou a dar ênfase também a uma defesa do aprofundamento da reforma trabalhista. As avaliações causaram preocupação na área econômica do atual governo. A avaliação é que não se pode agora tirar o foco da Previdência, medida considerada essencial para garantir a sustentabilidade das contas públicas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Idiana Tomazelli e Adriana Fernandes
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade