Internacional

Ideia de negociar novo acordo do Brexit agora é ilusão, diz ministro britânico

COMPARTILHE
3

O ministro de Finanças do Reino Unido (chamado lá de chanceler do Tesouro britânico), Philip Hammond, afirmou que a ideia de que será possível negociar um novo acordo para o Brexit com a União Europeia “na última hora antes da meia-noite” é uma “ilusão”. “Sejamos claros: as alternativas ao acordo proposto pela primeira-ministra Theresa May são um Brexit sem acordo ou nenhum Brexit”, declarou em sessão do Parlamento.

No Twitter, chanceler da Venezuela diz que Maduro foi convidado para posse

Chanceler venezuelano, Jorge Arreaza afirmou em seu Twitter neste domingo que o presidente da...

Trump volta a atacar investigação sobre interferência russa em eleições de 2016

O presidente americano, Donald Trump, e seu advogado Rudy Giuliani proferiram uma nova série...

Cerca de 5 mil protestam na Bélgica contra pacto de migração da ONU; polícia age

Cerca de 5 mil manifestantes se reuniram em torno da sede da União Europeia...

Defendendo o acordo de retirada e a declaração política sobre relações futuras negociadas entre Londres e Bruxelas, que irão a voto na Câmara dos Comuns em 11 de dezembro, Hammond argumentou que um divórcio sem nenhum entendimento destruiria “do dia para a noite” as parcerias comerciais forjadas com a União Europeia e por meio do bloco ao longo de mais de 40 anos.

“Seríamos a única economia avançada no mundo a comercializar com a UE apenas sob as regras da OMC (Organização Mundial do Comércio)”, comentou.

Continua depois da publicidade

Hammond colocou aos parlamentares a sua opinião pessoal de que, se Londres e Bruxelas não tiverem concluído as tratativas sobre as relações futuras antes de 1º de janeiro de 2021, seria melhor estender o período de transição previsto para começar em 29 de março de 2019 do que acionar a solução emergencial para evitar uma fronteira física entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte, o chamado ‘anteparo irlandês’ (Irish backstop).

Em Westminster, o ministro ponderou que o divórcio tem um custo, “mas rejeitar a vontade do povo teria um custo muito maior”. Questionado sobre os direitos de cidadãos britânicos residindo na UE após o Brexit, Hammond admitiu que, sob o acordo do governo, essas pessoas não terão o direito “automático” de se movimentar livremente entre os países do bloco.

Nicholas Shores
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade