Variedades

Jorge Furtado e a atualidade política de 'Rasga Coração'

COMPARTILHE
21

Há dez, 12 anos Jorge Furtado vinha acalentando o sonho de filmar a peça de Oduvaldo Vianna Filho, Rasga Coração. “O texto me impressionou muito, aquela coisa do conflito de gerações, a relação entre pai e filho, mas, ao mesmo tempo em que era apaixonado, eu também me dava conta de que o texto estava defasado e não poderia ser feito no contexto de um governo de esquerda, do PT.” Mas em 2013, com todos aqueles protestos de rua, o texto voltou com força no imaginário dele.

Rihanna confirma que novo álbum será de reggae e pode se chamar 'R9'

Rihanna afirmou, em entrevista ao The New York Times no último domingo, 19, que...

Cridora de 'Detetives do Prédio Azul', Flavia Lins fala sobre nova temporada

Estreia nesta segunda-feira, 20, no canal Gloob, a 12ª temporada de D.P.A. - Detetives...

Paola Carosella se recusa a provar prato no 'MasterChef': 'já conheço o gosto'

Paola Carosella, uma das juradas do MasterChef Brasil, fez duras críticas ao participante Eduardo...

“Comecei a pensar de novo que seria viável, mas eu não queria reproduzir o contexto em que a peça surgiu. Queria fazer o filme atual. Mal sabia eu que seria atropelado pela realidade. Fiz um filme num contexto, passei na Mostra e o debati com o público. Aí veio a eleição e o filme estreia agora num outro Brasil de direita. Sinceramente, acho que ficou melhor.” O repórter concorda, mas pode um filme mudar em tão pouco tempo, coisa de um mês? “Na verdade, não é o filme que muda, mas o olhar sobre ele. Sempre me interessou muito falar sobre o conflito geracional entre Manguari e o filho na peça do Vianninha (como o dramaturgo era chamado). Só que o conflito entre pai e filho virou esse conflito político que rachou o Brasil na eleição. Sem fazer esforço nenhum, acho que o filme ganhou outro significado.”

É interessante como Rasga Coração e Beijo no Asfalto, outra ficção brasileira que estreia nesta quinta, têm origem no teatro. E também que Rasga Coração e Tinta Bruta sejam produções gaúchas. E todos esses filmes querem revelar o Brasil atual, com todas as suas contradições, os seus preconceitos. Rasga Coração foi escrita por Vianninha entre 1972 e 74, expressando em parte o conflito entre o dramaturgo e seu pai. “O filme é sobre essa geração que chegou à vida adulta em 2013. Seus pais, a geração anterior, tinham a sensação de ter vencido todas as guerras. Pela democracia, pela anistia, pela Constituinte, mas para os filhos eles não fizeram o bastante, tal é o conflito.”

Continua depois da publicidade

Manguari tem um discurso revolucionário, mas é funcionário público. O filho tem um comportamento libertário, mas não assume suas responsabilidades. Agridem-se o tempo todo. “Drica Moraes, a mãe, fica no meio dos dois. É uma atriz genial, das melhores do Brasil. Com o Marco (Ricca, o Manguari) já tinha trabalhado. Sei o quanto é bom. A surpresa foi o Chay (Suede, o filho). Com os três, o filme cresceu muito.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Luiz Carlos Merten
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade