Variedades

Murilo Benício e sua homenagem a Nelson Rodrigues e aos atores

COMPARTILHE
10

Pode parecer esquisito, mas a reação do ator e agora diretor Murilo Benício à pergunta inevitável – por que adaptar Beijo no Asfalto? – é de perplexidade. “Não sei, eu também me pergunto por quê. Talvez seja uma consciência da importância de Nelson Rodrigues, e também do quanto é necessário mantê-lo em evidência. Mas o que eu sei, o que nós sabemos – ao seu lado está a mulher e atriz, Débora Falabella -, é que fizemos esse filme num contexto e o estreamos em outro. Como que a gente podia imaginar que essa história fosse ficar mais atual que nunca? Nesse Brasil de repente tão preconceituoso contra gays, negros, o filme, e Nelson, são vitais.”

Exposição apresenta iconografia de São Francisco de Assis por mestres italianos

Um dos santos mais presentes na iconografia católica é tema de nova exposição que...

Melissa McCarthy constrói personagem densa em 'Poderia me Perdoar?'

Dirigido por Marielle Heller, Poderia me Perdoar? se passa na década de 1990 e...

Israelense Nadav Lapid vence Urso de Ouro

Na entrevista que deu ao jornal O Estado de S. Paulo, a presidente do...

Murilo credita ao pai a descoberta de Nelson Rodrigues. “Eu era garoto e ele já falava do Nelson. Meu pai foi fundamental para que eu me tornasse artista. Ele aguçou em mim uma sensibilidade, uma antena para tudo o que ocorria ao redor.” Ator conhecido, e apreciado, ele não se intimida de estrear com um filme desses? “Cara, acho que se tivesse pensado nisso teria ficado travado. Só percebi depois como entrei nesse projeto com a cara e a coragem, Desde o início, fui guiado por uma espécie de intuição. O filme teria de ser uma celebração da nossa profissão. Uma homenagem aos atores, ao nosso processo.”

Foi assim que o filme nasceu com seu formato particular. Tio Vânia em Nova York, de Louis Malle, foi uma referência? “Com certeza, mas também o Looking for Richard, de Al Pacino. São filmes sobre o processo de montar peças, de encontrar um personagem. Nos reunimos ao redor daquela mesa para ensaiar, mas aí o Amir Haddad, a Fernanda (Montenegro), cada um com sua imensa cultura e vivência, foram esclarecendo, contextualizando. O filme nasceu desse formato. A mesa entremeada pelas cenas da peça filmada.”

Continua depois da publicidade

“Minha sorte, além de ter esse elenco maravilhoso, foi ter um fotógrafo como o Lula Carvalho. A câmera na mão dele é uma coisa viva. Queria que o espectador se sentisse parte do nosso processo – ele (Lula) conseguiu.” A história? Um homem é atropelado. Pede a Arandir, que o socorre, um beijo. O caso repercute na mídia. Homossexualidade? E o Lázaro Ramos no papel? “Lázaro é a pessoa mais gentil que conheço. Sabia que ele ia fazer um Arandir com camadas, só não sabia que ia ser muito melhor que sonhei.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Luiz Carlos Merten
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade