Geral

Emissões de CO2 voltam a subir no mundo e batem recorde

COMPARTILHE
7

As emissões globais de dióxido de carbono voltaram a crescer em 2018 e devem fechar o ano com alta de 2,7%, em comparação com o ano passado. É o que revelou nesta quarta-feira, 5, o novo relatório do Global Carbon Project, divulgado nesta quarta-feira, 5, na Conferência do Clima da ONU (COP-24), realizada em Katowice, na Polônia.

Vazamento de óleo provocado por tentativa de furto atinge Baía de Guanabara

Uma tentativa de furto no oleoduto da Petrobras que passa pelo município de Magé,...

Odebrecht pagará multa de US$ 181 milhões ao Peru por suborno a autoridades

Autoridades do Peru disseram que a empreiteira brasileira Odebrecht concordou em pagar uma multa...

Columbia Britânica cancela missão comercial à China por prisão de Meng Wanzou

Uma missão comercial à China pela província canadense de Colúmbia Britânica foi cancelada neste...

É o segundo aumento consecutivo depois de um período de três anos de estabilidade (de 2014 a 2016), que tinha dado esperanças de que o problema talvez começasse a ficar sob controle. Gases de efeito estufa, como o CO2, emitidos em excesso por causa de atividades humanas, são os responsáveis pelo aquecimento global.

Em 2017, porém, já havia ocorrido uma alta de 1,6%. E neste ano subiu ainda mais. O crescimento em 2018 se deu por causa da queima de carvão no mundo, que voltou a crescer depois de um período de baixa, e ocorreu apesar de um crescimento de 15% em energia renovável.

Continua depois da publicidade

Os dez maiores emissões no ano foram China, Estados Unidos, Índia, Rússia, Japão, Alemanha, Irã, Arábia Saudita, Coreia do Sul e Canadá. O ranking considera as emissões provenientes da queima de combustíveis fósseis e não a de desmatamento ou agricultura, por exemplo, categorias em que o Brasil mais colabora. Quando isso é levado em conta, o País aparece em alguns cálculos como o sétimo maior emissor.

“Estamos vendo um forte crescimento das emissões globais de CO2 novamente. As emissões precisam atingir um pico e diminuir rapidamente para lidar com as mudanças climáticas. Com o crescimento deste ano em emissões, parece que o pico ainda não está à vista”, afirmou em comunicado à imprensa a pesquisadora Corinne Le Quéré, da Universidade de East Anglia, instituição que lidera o levantamento.

“Para limitar o aquecimento global à meta do Acordo de Paris de 1,5° C, as emissões de CO2 precisariam diminuir em 50% até 2030 e chegar à rede zero por volta de 2050. Estamos muito longe disso e muito mais precisa ser feito. Se os países se ativerem aos compromissos que já assumiram, estamos a caminho de ver 3°C de aquecimento”, complementou.

As emissões globais de todas as atividades humanas devem chegar a 41,5 bilhões de toneladas em 2018. A maior parte disso é proveniente da queima de combustíveis fósseis que, sozinha deve atingir 37,1 bilhões de toneladas. O resto é fornecido principalmente por ações de mudança de uso do solo, como desmatamento. É nessa faixa onde o Brasil mais contribui.

A concentração atmosférica de CO2 está projetada para aumentar em 2,3 ppm, para atingir 407 ppm (partes por milhão) em média em 2018, 45% acima dos níveis anteriores à Revolução Industrial.

Giovana Girardi
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade