Política Nacional

Leitão: PSDB está disposto a ajudar País, não precisar ser da base para isso

COMPARTILHE
13

Depois de se reunir com o presidente eleito Jair Bolsonaro, o líder do PSDB na Câmara dos Deputados Nilson Leitão (MT) disse que o partido está disposto a ajudar o Brasil, mas que “não precisa entrar no governo para isso”. O deputado falou que os o partido vai apoiar as reformas ligadas à “agenda tucana” e defendeu que Bolsonaro aproveite o capital político do início do mandato para aprovar mudanças no Congresso.

Colômbia diz que 60 militares venezuelanos pediram refúgio

Mais de 60 militares venezuelanos pediram refúgio em território colombiano neste sábado, disse o...

Senado estuda montar comissão para acompanhar ajuda humanitária

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse hoje que vai reunir os senadores...

Militares veem agressão ao Brasil e dizem que Bolsonaro deve se manifestar

As primeiras impressões de oficiais do Exército envolvidos na Operação Acolhida e integrantes do...

“O governo Bolsonaro vai ter apoio para tudo aquilo que também é a agenda tucana, como todas as reformas. Essa é a agenda que nos une: a reforma previdenciária, tributária, pacto federativo, redução da máquina pública. São temas que foram debatidos e é o que ele também deseja”, disse Leitão no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde o presidente eleito e o ministro Onyx Lorenzoni receberam a bancada do PSDB. “Deixamos claro que PSDB entra e sai dessa reunião com disposição para ajudar o Brasil, mas que não precisa estar no governo para isso.”

Segundo o deputado, Bolsonaro pediu ajuda do partido para governar e destacou que o modelo de governo proposto pelo presidente eleito determina que “não é preciso fechar questão com o governo, tem que fechar questão com aquilo que você acredita”.

Continua depois da publicidade

“Acredito que a roupagem que está sendo desenhada é que muitos blocos vão se juntar e obviamente a maior adesão vai ser nas reformas, ou seja, base aliada para Previdência, base aliada para reforma tributária e outros temas”, afirmou Leitão.

Sobre a reforma da Previdência, o deputado disse que a ideia é aprovar primeiro o que já foi debatido e deixar para depois o que ainda não está pronto. “Não pode desperdiçar tudo aquilo que foi gasto esse período todo em debates e discussões, aprofundamento do tema. Idade mínima, por exemplo, está pronto para ir ao plenário”.

“A nossa defesa é que todo esse capital político que o Bolsonaro terá de cara no início do mandato seja ele investido em todas as reformas que o Brasil precisa”, afirmou o deputado tucano.

Luisa Marini e Larissa Lima, especiais para AE
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade