Cidades

Prefeitura de Guaçuí emite nota sobre prisão de servidor

COMPARTILHE
Foto: Divulgação
890

A Prefeitura de Guaçuí emitiu nota na tarde desta sexta-feira sobre um servidor alvo de operação policial nesta manhã, por ser suspeito de envolvimento com o tráfico de drogas.

Orquestra e coros infantis vão apresentar repertório natalino na Praça de Fátima

A programação musical do Natal Mágico 2019, promovido pela Secretaria Municipal de Cultura e...

Veja como fica o tempo neste domingo (8) no Sul do ES

Domingo (8) chuvoso com céu encoberto e a temperatura diminui um pouco mais em...

Assista a edição deste sábado (7) do programa Top Show pelo AQUINOTICIAS.COM

O programa Top Show, apresentado por Parraro Scherrer, deste sábado (7), está no ar...

Segundo a municipalidade, seu setor de Licitação, que pertence à Secretaria Municipal de Gestão Administrativa e Recursos Humanos, não foi alvo o alvo de busca e apreensão.

A ação da Polícia Militar nas dependências da Prefeitura se deu, segundo despacho da Justiça, por haver a possibilidade do funcionário, que confessou na delegacia ser usuário de entorpecentes, ter drogas armazenadas na repartição pública.

Continua depois da publicidade

A Prefeitura esclarece que não está sendo investigada e que nenhum equipamento ou documento do setor foi levado pelos policiais.

“Na realidade, o alvo da busca e apreensão foi um servidor que trabalha no local e está lotado como funcionário da Secretaria de Gestão Administrativa, inclusive, não fazendo parte da equipe de Licitação, e que foi conduzido para prestar esclarecimentos na delegacia de Guaçuí. A Prefeitura esclarece, ainda, que não se pode afirmar que o servidor vendia drogas dentro da Prefeitura, já que, segundo informações, nada foi encontrado no seu setor de trabalho”, diz a nota da Prefeitura.

O portal AQUINOTINOTICIAS.COM pede desculpas a seus leitores e a Prefeitura, por ter deixado transparecer, a princípio, que o alvo da operação era a municipalidade.

Interceptação telefônica

O mandado de busca e apreensão contra o servidor público diz que “…tocantemente ao representado L.S.O. entendo ser necessário o cumprimento da medida de busca e apreensão do endereço profissional deste, qual seja, a Prefeitura Municipal de Guaçuí, conforme pugnado pelo Ministério Público Estadual, porquanto no curso da interceptação telefônica deferida por este juízo, constatou-se que este, dentro do horário de trabalho, aparentemente negocia drogas ilícitas, conforme transcrições registradas nos autos pela Polícia Civil”, diz o despacho do juiz Bruno Fritoli Almeida.

Publicidade