Segurança

Polícia Civil indicia quatro por estelionato no Sicoob de Guaçuí

COMPARTILHE
Foto: reprodução Google
5578

A Polícia Civil de Guaçuí concluiu o inquérito que investigava um golpe de quase R$ 70 mil na agência do Sicoob no município. O comerciante A.O.C.S., de 37 anos, a esposa dele, D.S.Z., 35, o ex-gerente da agência, J.P.S.B.,33, e J.R.A.,57, foram indiciados pelo crime de estelionato. Os suspeitos vão responder em liberdade.

Mesmo baleado, homem desfere golpes de facão contra atirador em acampamento "Sem Terra" em Presidente Kennedy

Um homem foi alvo de uma tentativa de homicídio nessa quinta-feira (18) no agrupamento...

Confira os horários de atendimento da Polícia Civil durante o feriado desta sexta

As unidades da Polícia Civil funcionarão em horários diferenciados em razão do feriado desta...

PM apreende meio quilo de maconha com jovens em Iúna

Após denúncia anônima, a Polícia Militar apreendeu meio quilo de maconha em posse de...

De acordo com o delegado José Maria Simão, A.O.C.S. teria usado uma carteira de identidade falsa, cedida por J.R.A. “O ex-gerente da agência bancária também é suspeito de ajudar no golpe. Ele teria forjado a assinatura de um avalista de empréstimo, que estava morto desde 2014. Além de falsificar a assinatura do contratante do empréstimo, a esposa do comerciante também teria cedido sua conta bancária para receber parte do valor. Os exames periciais comprovaram todas as falsificações”, explicou Simão.

O delegado informou, ainda, que o golpe foi cometido em janeiro do ano passado e que, em maio, os policiais prenderam A.O.C.S., em seu estabelecimento comercial, no Centro de Guaçuí. “O golpe foi descoberto quando o verdadeiro dono do documento compareceu ao banco questionando uma correspondência de um consórcio em seu nome. Foram dois meses de investigação até identificarmos o suspeito com a ajuda das imagens de videomonitoramento, documentos e testemunhas”, afirmou o delegado.

Continua depois da publicidade

Na época, A.O.C.S. foi encaminhado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Cachoeiro de Itapemirim, mas foi posto em liberdade.

Publicidade