Segurança

Polícia Civil indicia quatro por estelionato no Sicoob de Guaçuí

COMPARTILHE
Foto: reprodução Google
5510

A Polícia Civil de Guaçuí concluiu o inquérito que investigava um golpe de quase R$ 70 mil na agência do Sicoob no município. O comerciante A.O.C.S., de 37 anos, a esposa dele, D.S.Z., 35, o ex-gerente da agência, J.P.S.B.,33, e J.R.A.,57, foram indiciados pelo crime de estelionato. Os suspeitos vão responder em liberdade.

2º Batalhão da PM passa a usar cão farejador durante abordagens e operações

As operações policiais realizadas pelo Segundo Batalhão da Polícia Militar em Nova Venécia passam...

PC prende organização criminosa que faria ataques no ES durante festas de fim de ano

A equipe do Departamento Especializado de Narcóticos (Denarc) realizou a operação “Paulicéia” e prendeu...

Estagiário de banco é baleado em tentativa de assalto no Centro de Cachoeiro

  Um jovem foi baleado na tarde desta segunda-feira (21) em uma papelaria, no Centro,...

De acordo com o delegado José Maria Simão, A.O.C.S. teria usado uma carteira de identidade falsa, cedida por J.R.A. “O ex-gerente da agência bancária também é suspeito de ajudar no golpe. Ele teria forjado a assinatura de um avalista de empréstimo, que estava morto desde 2014. Além de falsificar a assinatura do contratante do empréstimo, a esposa do comerciante também teria cedido sua conta bancária para receber parte do valor. Os exames periciais comprovaram todas as falsificações”, explicou Simão.

O delegado informou, ainda, que o golpe foi cometido em janeiro do ano passado e que, em maio, os policiais prenderam A.O.C.S., em seu estabelecimento comercial, no Centro de Guaçuí. “O golpe foi descoberto quando o verdadeiro dono do documento compareceu ao banco questionando uma correspondência de um consórcio em seu nome. Foram dois meses de investigação até identificarmos o suspeito com a ajuda das imagens de videomonitoramento, documentos e testemunhas”, afirmou o delegado.

Continua depois da publicidade

Na época, A.O.C.S. foi encaminhado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Cachoeiro de Itapemirim, mas foi posto em liberdade.

Publicidade