Entretenimento

No Dia do Músico, profissionais de Alegre contam como fizeram para superar a crise

COMPARTILHE
Divulgação
149

Hoje, 22 de novembro, é comemorado o Dia do Músico. Assim como as demais profissões, para ser músico é preciso se reinventar todos os dias diante da crise que se instalou no país afetando todos os nichos do mercado.

Nova Lei Rouanet terá teto de R$ 1 milhão com exceções, confirma ministro

O governo confirmou a redução de 98% do valor máximo autorizado por projeto beneficiado...

Apresentadora da Globo News lamenta perder episódio de 'Game of Thrones'

A jornalista Leilane Neubarth, apresentadora do canal Globo News, fez uma postagem em seu...

Dead Kennedys divulga poster de turnê no Brasil com 'família Bozo' armada

A banda americana Dead Kennedys anunciou sua turnê no Brasil com um pôster que...

Na tentativa de driblar as dificuldades, em 2016, quatro músicos se uniram e decidiram ser a banda de todos os cantores. Já em 2017, atenderam 18 cantores entre os estados do Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, e antes de findar 2018 já chegam a 29 o número de clientes.

Sanfoneiro e tecladista, Thiago Moraes explica como está atuando no mercado da música. “O cantor ou dupla interessada que nos liga, agenda a data e passa o repertório que vai cantar. A partir daí, produzimos todo o show para que o cantor não precise se preocupar. É tudo encaminhado para que ele possa ensaiar no conforto da sua casa ou qualquer lugar através e um arquivo em mp3, e depois no dia, é subir no palco e cantar”, conta Thiago Moraes.

Continua depois da publicidade

A proposta é bem aceita por cantores que não precisam mais contratar funcionários, conta Ráweron Merçon, que é baixista e um dos fundadores da banda.

“A ideia é dar estrutura e oportunidade aos cantores e duplas de todos os estilos musicais, que ainda não tem como manter uma banda com salário fixo. Atendemos cantores mais conhecidos que optaram por não ter musico como funcionário, ou até mesmo cantores que querem terceirizar o serviço para evitar algumas responsabilidades”, explica Ráweron Merçon.

 

Publicidade