Política Nacional

Operador de Cabral reclamava de acordar cedo 'só' para entregar dinheiro

COMPARTILHE
22

O operador financeiro do esquema de corrupção atribuído ao ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB) declarou aos investigadores que os encontros em que o ex-procurador-geral de Justiça Cláudio Lopes pegava dinheiro ‘duravam, no máximo, 20 minutos’. Sérgio de Castro Oliveira, o ‘Serjão’, preso na quinta-feira, 8, disse ainda que o ex-secretário de Governo Wilson Carlos ‘reclamava de ter que acordar cedo só para ir ao Palácio Laranjeiras entregar o dinheiro ao Cláudio Lopes’. Laranjeiras é a residência oficial do chefe do Executivo fluminense.

WhatsApp afirma que não foi contratado pela campanha de Jair Bolsonaro

O WhatsApp divulgou nota na noite desta segunda-feira, 12, informando ao Tribunal Superior Eleitoral...

Caixa suspende contratação de novas unidades do Minha Casa Minha Vida faixa 1,5

A Caixa suspendeu a contratação de novas unidades do programa Minha Casa Minha Vida...

Área técnica do TSE aponta falhas na prestação de contas de Bolsonaro

Um relatório da Assessoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias (Asepa) do Tribunal...

Sérgio Cabral, Cláudio Lopes, Wilson Carlos e ‘Serjão’ foram denunciados, no início de outubro, pelo procurador-geral de Justiça em exercício, Ricardo Ribeiro Martins. O ex-governador do Rio, Wilson Carlos e ‘Serjão’ são acusados de corrupção ativa. Cláudio Lopes foi denunciado por associação criminosa, corrupção passiva e quebra de sigilo funcional.

Serjão ‘confessou ter participado de pagamentos de propina’ a Cláudio Lopes entre o final de 2008 e o final de 2012. Ele declarou que ‘a ida de Wilson Carlos ao Palácio Laranjeiras se dava exclusivamente para encontrar com Cláudio Lopes e repassar a ele o dinheiro’. Segundo o operador, ‘logo que isto acontecia, Cláudio Lopes ia embora e, em seguida Wilson Carlos também saía’.

Continua depois da publicidade

“Os encontros entre Wilson Carlos e Cláudio Lopes, quando da entrega do dinheiro, duravam, no máximo, 20 minutos; que Wilson Carlos, em várias ocasiões disse ao depoente que o dinheiro era destinado à propina e também reclamava de ter que acordar cedo só para ir ao Palácio Laranjeiras entregar o dinheiro ao Cláudio Lopes”, contou.

O operador relatou que tinha ‘a função de transportar valores destinados ao pagamento de propina a diversos destinatários, dentre eles o investigado no presente procedimento, dr. Cláudio Soares Lopes, procurador de Justiça do Ministério Público do Estado do Rio’.

De acordo com Serjão, ‘o pagamento dos valores ao procurador Cláudio Soares Lopes começou a acontecer entre os meses de setembro e outubro de 2008’. O aliado de Sérgio Cabral declarou que ‘foi comunicado pelo então secretário Wilson Carlos que o “esquema” ajudaria Cláudio Soares Lopes na eleição que aconteceria no Ministério Público ao final daquele ano’.

“Wilson Carlos disse ao depoente que havia duas chapas concorrendo e que eles ajudariam a do Dr. Cláudio Soares Lopes, com pagamento mensal para auxiliar nas despesas da companha; que, a partir de então, o depoente, nos dois primeiros meses, levou ao gabinete de Wilson Carlos no Palácio Guanabara a quantia de R$ 50 mil em cada uma das ocasiões, para que fosse entregue ao dr. Cláudio Lopes”, narrou.

“Nestas duas primeiras ocasiões a entrega se deu no Palácio Guanabara, no gabinete de Wilson Carlos; que a terceira remessa, ainda de R$ 50 mil, aconteceu no Palácio Laranjeiras; que a mudança para o Palácio Laranjeiras foi justificada por Wilson Carlos ao depoente por ser um lugar mais discreto; que a presença de Cláudio Lopes mensalmente no Palácio Guanabara despertaria muita atenção.”

‘Serjão’ disse que ‘levou, por três vezes, a quantia de R$ 50 mil para ser entregue a Cláudio Lopes, as duas primeiras no Palácio Guanabara e a terceira no Palácio Laranjeiras’. O operador contou que ‘estranhou que, sendo a verba destinada à campanha eleitoral, os pagamentos prosseguiram com periodicidade mensal durante os dois mandatos de Cláudio Lopes à frente do Ministério Público’.

“Depois que o depoente fez a entrega do dinheiro para a campanha, percebeu que havia alguma coisa errada com o prosseguimento dos pagamentos, como já dito, durante todo o período dos mandatos de Cláudio Lopes; que após a terceira remessa do dinheiro destinado à campanha, os pagamentos continuaram, mas passaram a vir em envelopes fechados, muitas vezes com indicação de MP ou MPB, esta última para disfarçar a destinação”, afirmou.

Cláudio Lopes ingressou no Ministério Público do Estado do Rio em 1987. Passou pelas comarcas de Campos dos Goytacazes e São João da Barra, e em janeiro de 1995 assumiu a Promotoria de Justiça junto à 36ª Vara Criminal do Rio, onde permaneceu até julho de 2001. Em seguida foi promovido a procurador de Justiça. No final de 2008 venceu a eleição para procurador-geral de Justiça no biênio 2009-2011, tendo obtido 321 votos, apenas quatro a mais que o segundo colocado, Eduardo Gussem.

Disputou novamente a eleição para o biênio seguinte e foi reconduzido ao cargo com 483 dos 850 votos possíveis. Vencer a eleição não é garantia de ocupar o cargo, já que a nomeação cabe ao governador do Estado, que pode escolher qualquer nome entre os três primeiros colocados na eleição. Então governador, nas duas ocasiões Cabral respeitou a tradição e nomeou o mais votado.

A reportagem está tentando localizar a defesa de Claudio Lopes. O espaço está aberto para manifestação.

Julia Affonso
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade