Política Nacional

Após retirar Eunício da agenda, Bolsonaro cancela encontro com Maia na 3ª-feira

COMPARTILHE
23

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, cancelou a visita que teria ao Congresso Nacional na próxima terça-feira (13) e também encontro com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), informou a equipe responsável pela transição de governo. Ambos os eventos chegaram a constar da agenda, porém, foram retirados, assim como ocorreu, ontem, com reunião com o presidente do Congresso, Eunício Oliveira.

Em vídeo, Olavo critica 'generais incultos e presunçosos'

Após o presidente Jair Bolsonaro ter feito uma espécie de advertência nesta segunda-feira, 22,...

Ministro do Meio Ambiente manda exonerar chefe de parque do ICMBio

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, mandou exonerar nesta terça-feira, 23, o chefe...

Carlos Bolsonaro mantém ataques a Mourão nas redes sociais

O vereador do Rio Carlos Bolsonaro (PSC), filho do presidente Jair Bolsonaro, manteve durante...

Ontem, a assessoria de imprensa havia divulgado uma agenda em que constava uma audiência com Eunício, “a confirmar”, às 9h00. Minutos depois, a agenda foi apagada e reenviada com uma reunião com Maia.

Com os cancelamentos, Bolsonaro seguirá da Base Aérea direto para o CCBB, onde está montado o gabinete de transição. A primeira agenda do presidente eleito será com a ministra Rosa Weber, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Continua depois da publicidade

Os cancelamentos ocorrem em meio a uma indisposição entre a equipe eleita e o presidente do Senado e do Congresso. Nesta semana, Eunício demonstrou insatisfação por não ter sido procurado pela equipe de Bolsonaro. O futuro ocupante do Palácio do Planalto se encontrou com os chefes dos dois outros poderes, Executivo e Judiciário.

Em entrevista ao Estado, Eunício, que não se reelegeu, lembrou que ainda é presidente de um dos poderes e disse não estar preocupado “se Bolsonaro vai gostar ou não” do que é votado no Congresso.

Dentro da equipe de Bolsonaro há uma preocupação de que os parlamentares que não foram reeleitos utilizem o resto do ano para votar as chamadas “pautas bomba”, com impacto fiscal.

Gerou desconforto ainda entre os parlamentares frase do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, defendendo “uma prensa” no Congresso para aprovar a reforma da Previdência. Em relação à Maia, preocupa ao presidente da Câmara que uma linha do PSL não esteja disposta a apoiar sua reeleição à Casa no ano que vem.

Bárbara Nascimento
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade