Economia

Abilio vende R$ 805 mi em ações do Carrefour

COMPARTILHE
12

Empresa de investimentos da família do empresário Abilio Diniz, a Península vendeu ontem, na Bolsa paulista, um bloco de mais de 50,5 milhões de ações que detinha no Carrefour, arrecadando R$ 805 milhões. Com isso, a fatia do veículo de investimento dos Diniz na varejista caiu de 11,46% para 8,91%. Em fato relevante, a realização da operação foi confirmada pela rede francesa.

Governadores eleitos negociam mudança na LRF

Antes mesmo de assumirem os cargos, os governadores eleitos dos Estados com maiores problemas...

Rede mineira Leitura faz propostas por cinco lojas fechadas pela Saraiva

A corrida pela reacomodação do mercado de livrarias, após a líder de mercado fechar...

Venezuela, Cuba e Moçambique devem R$ 1,7 bi ao BNDES

Venezuela, Moçambique e Cuba devem R$ 1,7 bilhão (US$ 459,2 milhões) ao BNDES em...

O empresário entrou no capital do Carrefour – tanto da operação local quanto da matriz francesa – a partir de 2014, e chegou a deter 12% do capital da varejista brasileira. Hoje, Abilio é um dos conselheiros da operação global da multinacional francesa, da qual também é sócio. A parceria do empresário com o Carrefour veio depois da resolução de uma disputa entre o empresário e o grupo Casino, também francês, em relação ao controle do Grupo Pão de Açúcar (GPA), que se estendeu entre 2011 e 2013.

Investimentos. O dinheiro da operação realizada ontem volta para o caixa da Península. A empresa atualmente tem uma participação relevante da gigante de alimentos BRF – que passa por uma reestruturação comandada por Pedro Parente, ex-presidente da Petrobrás, após sofrer com bilionários prejuízos – e também em negócios de menor porte, como o e-commerce de vinhos Wine.com.br e a rede de padarias Benjamin, ambos atualmente em fase de expansão.

Continua depois da publicidade

De 2014 para cá, desde que a Península entrou na operação local do Carrefour, o valor de mercado subiu de R$ 18 bilhões para aproximadamente R$ 33 bilhões – um salto de mais de 83%. As vendas no período cresceram 40%, tanto graças a mudanças nas operações de varejo físico quanto com a retomada do e-commerce de eletroeletrônicos e a estreia da francesa da venda online de alimentos.

Com o dinheiro arrecadado com a venda dos papéis do Carrefour, a Península deve voltar ao mercado para buscar novos negócios. O Estado apurou que setores como o de consumo e saúde e bem-estar estão entre as principais áreas de interesse da família Diniz.

Procurada, a Península não quis comentar o assunto.

Fernando Scheller
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade