Geral

Bolsonaro fala em acordo para explorar Amazônia com países 'sem viés ideológico'

COMPARTILHE
9

De sua casa na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio, o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), demonstrou nesta sexta-feira, 9, interesse em permitir que empresas de alguns países explorem os recursos naturais da Amazônia. Em transmissão ao vivo pelo Facebook, questionou “por que não fazer acordo” para explorar a região, “sem viés ideológico”.

Abstenção no vestibular da Unicamp cai e 69,7 mil fazem prova

O vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), aplicado neste domingo, 18, registrou queda...

Estrutura do viaduto volta a ceder, mas dentro da normalidade, diz secretário

O secretário de Infraestrutura e Obras, Vitor Aly, informou neste domingo, 18, que a...

Homem assassina ex-mulher e se mata com bebê no colo em Itapira

Depois de sete horas de negociações com a polícia, um homem de 34 anos...

Nos 40 minutos da fala, durante a qual por diversas vezes criticou a gestão do Meio Ambiente no Brasil, Bolsonaro afirmou que os Institutos Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) cometem “caprichos”.

Ele disse ainda que pretende avançar com o turismo em áreas protegidas ambientalmente para garantir que não sejam abandonadas. “Se tivesse hotéis em áreas protegidas, o meio ambiente estaria preservado. O turismo preservaria o meio ambiente e não essa forma xiita do Ibama”, afirmou. Segundo Bolsonaro, o nome do ministro do Turismo será divulgado na próxima semana e, em seguida, os da Educação e Relações Exteriores.

Continua depois da publicidade

Embora mostre interesse em explorar a Amazônia, Bolsonaro não informou quais setores e países teriam acesso à região em seu governo. Com a China, especificamente, disse não ter problema e que prova disso é que recebeu o embaixador do país asiático. Durante a campanha, Bolsonaro criticou a presença chinesa no mercado brasileiro, sobretudo, no setor elétrico, ao afirmar que o país não comprava no Brasil, mas o Brasil.

Mais uma vez, apenas citou o mercado de nióbio, que, segundo o presidente eleito, “não será privatizado”. Disse ainda que “parece que 40% das multas (ambientais) aos produtores” vão para organizações não governamentais. “Não vai ter ativismo”, acrescentou.

Fernanda Nunes
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade