Variedades

Iniciativas da Fiat Chrysler e Jeep promovem inclusão no Salão do Automóvel

COMPARTILHE
31

A edição deste ano do Salão do Automóvel, que abriu as portas para o público nesta quinta-feira, 8, no São Paulo Expo, em São Paulo, desafiou os padrões de beleza típicos da exposição ao optar por modelos (homens e mulheres) com vitiligo, síndrome de Down e próteses mecânicas para apresentar as novidades automotivas aos visitantes. A iniciativa foi da Fiat Chrysler e da Jeep, que selecionaram os modelos com o objetivo de mostrar a pluralidade e incluir perfis diferentes no segmento automotivo.

Aos 37 anos, Thiago Soares assina coreografia de 'Be-Marche: Noites de Berlioz'

Leves, porém precisos, os movimentos de um bailarino clássico exigem um trabalho intenso e...

Às vésperas dos 80, Heloisa Buarque de Hollanda lança obras sobre feminismo

Uma festa para as velhinhas. Assim Heloisa Buarque de Hollanda define esse momento de...

Funkeiro MC Sapão morre no Rio aos 40 anos

O funkeiro MC Sapão morreu aos 40 anos no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira,...

Conforme explica Malu Antônio, gerente de marketing e comunicação da FCA na América Latina, a ideia de colocar pessoas com características diferentes para interagir com o público segue o propósito que o próprio evento sugere: proporcionar novas experiências e fazer os visitantes mudarem a forma como veem o mundo. “A gente é um país tão diverso, com tantas cores. Essa mudança que a gente fez é no sentido de incluir as pessoas que são diferentes”, disse.

No primeiro dia do evento, Malu conta que o público estranhou ao ver pessoas que não seguiam os padrões de beleza típicos da exposição, mas com o passar das horas ela notou que a aprovação foi alta entre os visitantes. “Já passou da hora da gente incluir essas pessoas e a resposta do visitantes foi muito interessante. Nós precisamos abrir caminho para esse tipo de coisa e representar todos”, reforçou a executiva.

Continua depois da publicidade

A bailarina e modelo Melina Reis, de 34 anos, é uma das selecionadas para trabalhar no stand da FCA. Há três anos ela usa uma prótese que vai até um pouco abaixo do joelho na perna esquerda e considera a iniciativa muito positiva para as pessoas com deficiências físicas. “Isso rompe a barreira do estereótipo perfeito, das mulheres ditas perfeitas. Para mim, representa um grande avanço porque não é uma coisa comum de se ver. Foi uma vitória”, comemorou.

O reflexo da importância da inclusão pode ser visto quando a condição de Melina foi o diferencial para que ela pudesse ajudar um jovem cego a conhecer um dos veículos expostos. Ela conta que o pai do garoto chegou até ela e pediu que ela guiasse o seu filho para tatear. “Ele falou para mim que confiava em mim porque eu era deficiente e entendia a situação do filho dele. Foi um momento emocionante”, afirmou.

‘Objetificação’ da mulher

A luta contra a cultura de ver as mulheres como objeto também foi outra frente na qual a FCA decidiu atuar, assim como a empresa tem feito nas edições anteriores do Salão do Automóvel. A estratégia utilizada, segundo Malu, foi vestir as modelos com roupas que mostrassem menos os corpos, além de colocar também modelos homens para lidar com o público. “O critério que a gente usa não é só a diversidade. Antes as mulheres eram muito coisificadas e usavam roupas mais sensuais, mais curtas e com decotes enormes. Hoje as mulheres estão mais bem vestidas”, explicou.

O Salão do Automóvel é realizado no São Paulo Expo até o dia 17 de novembro, das 13h às 22h, e no dia 18 de novembro, das 11h às 19h.

Caíque Alencar, especial para o Estado
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade