Internacional

Mudança na política de assédio sexual no Google não agrada funcionários

COMPARTILHE
9

As mudanças na política de combate a casos de assédio sexual apresentadas na última quinta-feira, 8, pelo presidente executivo do Google, Sundar Pichai, não agradou os funcionários da gigante de tecnologia. As alterações foram uma resposta da empresa às manifestações que contou com a participação de 20 milhões de funcionários dos escritórios do Google pelo mundo. Em uma publicação feita no site Medium nesta sexta-feira, 9, os organizadores dos protestos elogiaram o posicionamento do Google, mas disseram que Pichai ignorou muitas das principais demandas dos funcionários.

Maduro diz que segue no comando e que "golpe fracassado" foi "comédia"

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta terça-feira que, para frustração dos Estados...

Odebrecht confirma aporte para campanha do ex-presidente Alan García, do Peru

O ex-responsável pelas operações da Odebrecht no Peru confirmou nesta terça-feira à promotoria peruana...

Grupo Estado Islâmico reivindica atentados no Sri Lanka

O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) reivindicou nesta terça-feira, 23, os atentados que deixaram...

Entre as propostas ignoradas pela presidência há a exigência de comprometimento do Google em se preocupar com a diversidade na hora de contratar funcionários, fornecer um canal direto de comunicação com Sundar Pichai para fazer as denúncias e ainda de ter um representante dos funcionários nas reuniões do conselho de administração da companhia.

Posicionamento

Continua depois da publicidade

Na última quinta, Pichai enviou um e-mail anunciando mudanças na política da empresa em casos de assédio sexual. O documento posteriormente foi divulgado pelo próprio Google em seu blog oficial.

Na carta, Pichai promete fornecer mais transparência nas investigações de assédio e divulgar esses resultados no “Relatório de Investigações” anual. A empresa também diz que vai renovar canais de denúncia por incidentes de má conduta, além de atualizar e expandir o treinamento contra assédio sexual.

O executivo disse ainda que o Google decidiu atender o desejo dos manifestantes de mudar o regime de arbitragem, que passa a ser opcional para casos de assédio sexual. Os organizadores do protesto acreditavam que a política de arbitragem forçada por alegações de má conduta, que existia na empresa, impedia que funcionários levassem os casos aos tribunais e suprimia as histórias das vítimas.

Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade