Economia

Tafner: não faz sentido aprovar reforma e depois tentar fazer outra

COMPARTILHE
7

O economista Paulo Tafner, um dos autores de proposta de reforma da Previdência entregue ao novo governo, defende que o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), use seu empenho para aprovar uma única reforma para mudar o sistema previdenciário. Não faz sentido, disse ele durante evento no Insper, buscar aprovar parte do texto que está atualmente no Congresso e depois tentar fazer mais mudanças pela frente.

Ajuste fiscal é compromisso dos governos do Nordeste, dizem governadores em carta

A carta que os governadores eleitos do Nordeste entregaram nesta quarta-feira, 14, à equipe...

BNDES teve ganho de R$ 600 milhões com venda de ações da Vale no 3º tri

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) manteve no terceiro trimestre a...

BNDES lucra R$ 1,603 bilhão no 3º trimestre, queda de 13,7%

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) registrou lucro líquido de R$...

Na avaliação de Tafner, faria sentido aprovar o texto atual se o novo governo avaliar que não tem chances de avançar nas medidas para a Previdência.

“Se não conseguir avançar em nada, é melhor aprovar a reforma que está aí”, disse ele. “O que não tenho aceitado bem é a ideia de fazer essa reforma e depois fazer outra. Tem que dar um tiro só.”

Continua depois da publicidade

A proposta de Temer, observa Tafner, já foi desidratada em seu caminho pelo Congresso e a economia fiscal em 10 anos se reduziu de R$ 800 bilhões para R$ 480 bilhões. A proposta escrita por ele e outros, como o ex-presidente do Banco Central Arminio Fraga, traz economia fiscal de R$ 1,3 trilhão em 10 anos.

Bolsonaro já declarou que quer tentar aprovar ao menos parte do texto que está no Congresso.

Altamiro Silva Junior
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade