Política Nacional

Constituição brasileira 'transcende a administrações do Estado', diz Fachin

COMPARTILHE
5

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, disse nesta sexta-feira (9) que a Constituição Federal “transcende, antecede, convive e sucede a administrações do Estado”, não sendo apenas um fenômeno conjuntural. “E é por isso que ela se tornou o pão nosso de cada dia”, disse o ministro.

Caixa suspende contratação de novas unidades do Minha Casa Minha Vida faixa 1,5

A Caixa suspendeu a contratação de novas unidades do programa Minha Casa Minha Vida...

Área técnica do TSE aponta falhas na prestação de contas de Bolsonaro

Um relatório da Assessoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias (Asepa) do Tribunal...

Câmara conclui votação de MP que garante linha de crédito para Santas Casas

A Câmara dos Deputados concluiu na noite desta segunda-feira, 12, a votação da Medida...

Fachin defendeu que mais importante do que “mudanças ou hemorragias legislativas” é o cumprimento da legislação brasileira e afirmou que “mais do que discurso de efetividade, precisamos de prática de efetividade”, porque, segundo ele, “se educa pelo comportamento, mais do que se educa pelas palavras”.

O ministro participou do “IV Congresso Nacional de Direito e Fraternidade” no Superior Tribunal de Justiça, em Brasília. O evento debate os rumos da Justiça brasileira com base em temáticas de fraternidade no sistema de Justiça e educação em direitos.

Continua depois da publicidade

Para o ministro, debater fraternidade “significa também debater a programação de realização de políticas públicas que atendam às necessidades essenciais para que o ser humano não só seja digno da humanidade, mas a dignifique também”.

Na avaliação de Fachin, a prestação judicial é um ato de fraternidade. “O juiz é antes de tudo um juiz da Constituição, um juiz da liberdade, da igualdade, do direito e da justiça”, afirmou.

“A falta de hospitalidade fraterna ao diferente e ao respeito ao que é diverso também se traduz num desafio de inclusão. Em outras palavras, um desafio que traz à prestação jurisdicional a ideia segundo a qual para que cada um seja e tenha o direito de ser o que é, é fundamental que o outro que lhe é diferente também tenha o direito de ser como é. Pois nessa diferença que se respeita é que se constrói uma unidade fraterna de convivência no pacto significatório.”

Em sua fala no evento, o ministro do Supremo disse ainda que o magistrado, para ter independência da decisão, tem a dependência da fundamentação. “Nenhum juiz está imune de prestar contas da fundamentação de suas decisões. E é dessa visibilidade, que devia ser mais das decisões do que dos magistrados, evidente, que nós estamos a tratar dessa vivência constitucional, de se fazer e viver que significa compreender a Constituição como base de um direito fraterno que confirme e torne possível projetar a fraternidade para a realização dos direitos fundamentais e dos direitos humanos.”

Teo Cury
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade