Economia

Lucro da Petrobras sobe 2.397% em um ano e chega a R$ 6,644 bi no 3º trimestre

COMPARTILHE
20

A Petrobras reportou lucro líquido de R$ 6,644 bilhões no terceiro trimestre deste ano, alta de 2.397% ante o lucro de R$ 266 milhões no mesmo período de 2017, mas baixa de 34% ante o ganho de R$ 10,072 bilhões nos três meses imediatamente anteriores, conforme os números atribuíveis aos acionistas.

Oposição pede devolução da PEC porque dados da reforma não foram apresentados

Em mais uma tentativa de obstrução da votação, a oposição pediu na Comissão de...

Comissão adia votação da MP que abre setor aéreo para capital estrangeiro

A comissão mista do Congresso que analisa a medida provisória que eleva para 100%...

Comissão do Senado e TCU vão apurar política de preços da Petrobras

A Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC) do...

O lucro líquido registrado pela estatal no terceiro trimestre ficou 37,26% abaixo das expectativas de analistas. As projeções indicaram lucro líquido de R$ 10,590 bilhões, conforme a expectativa de analistas de cinco casas consultadas pelo Prévias Broadcast (Santander, Morgan Stanley, Guide, XP e Itaú BBA).

De acordo com a companhia petrolífera, o resultado foi afetado pelos acordos firmados, em setembro, com o Departamento de Justiça dos EUA (DOJ) e com a Securities and Exchange Commission (SEC) para encerramento das investigações das autoridades norte-americanas, no valor de R$ 3,5 bilhões. “Excluindo-se esses acordos, bem como os efeitos do acordo da Class Action, o lucro líquido seria de R$ 10,269 bilhões no trimestre e R$ 28,012 bilhões no acumulado do ano”, afirma a empresa.

Continua depois da publicidade

Ainda assim, a Petrobras apresentou lucro líquido de R$ 23,677 bilhões nos primeiros noves meses de 2018, “o melhor resultado desde 2011” e um crescimento de 371% comparado a igual intervalo do ano anterior.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da petroleira foi de R$ 29,856 bilhões, alta de 55,3% em relação ao mesmo intervalo de 2017, de R$ 19,223 bilhões, e leve recuo de 1% ante o segundo trimestre deste ano, de R$ 30,067 bilhões. De janeiro a setembro, o Ebitda totalizou R$ 85,691 bilhões, avanço de 35% ante o mesmo período de 2017.

O Ebitda ajustado também ficou abaixo da média das estimativas dos analistas, de R$ 35,761 bilhões, uma variação de 16,5%.

A margem Ebitda ajustada ficou em 30%, ante 27% no terceiro trimestre de 2017 e 36% nos três meses imediatamente anteriores.

A receita líquida somou R$ 98,260 bilhões no período, o que significa um incremento de 36,81% na comparação anual, de R$ 71,822 bilhões, e de 16% na trimestral, de R$ 84,395 bilhões.

No caso da receita líquida, o montante dentro da projeção de R$ 93,757 bilhões esperada. O Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, considera que o resultado reportado pela companhia está em linha com as projeções quando a diferença entre os números é de até 5% para cima ou para baixo.

O resultado financeiro líquido da estatal ficou negativo em R$ 5,841 bilhões no trimestre encerrado em setembro, 21% menor que a cifra negativa em R$ 7,411 bilhões de igual trimestre de 2017 e acima das despesas financeiras líquidas de R$ 2,647 bilhões no segundo trimestre de 2018.

Márcio Rodrigues e Cristian Favaro
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade