Segurança

Vitamina Selita foi envenenada pelo pai da criança hospitalizada em Castelo, diz a polícia

COMPARTILHE
Foto: Wanderson Amorim
73759

Ananias Amancio, 35 anos, foi preso nesta quarta-feira (10), pela Polícia Civil, em Castelo, suspeito de envenenar o próprio filho, de 7 anos, no dia 24 do mês passado. Para tirar as atenções dele, o pai do garoto sustentava a suspeita de que a vitamina Selitinho, da Cooperativa Selita, estava contaminada com substância corrosiva.

Corpo é encontrado boiando em rio de Dores do Rio Preto

O Corpo de Bombeiros encontrou um corpo dentro do Rio Preto, que corta o...

Homem é esfaqueado no bairro Zumbi em Cachoeiro

Um homem, de 30 anos, ficou gravemente ferido na noite deste domingo (16) após...

Motociclista morre ao colidir de frente com ônibus em Itapemirim

Um motociclista, de 43 anos, morreu na noite deste domingo (16), após colidir frontalmente...

De acordo com o delegado Marcelo Meurer, após um intenso serviço de investigação, a Polícia Civil de Castelo apurou que o pai da criança teria envenenado seu próprio filho, na esperança de que o relacionamento amoroso com sua esposa fosse reatado.

“Inicialmente, o pai da criança negou ter qualquer participação no envenenamento. Entretanto, como a investigação apontava para o envenenamento, a Polícia Civil representou pela expedição de prisão temporária, tendo a medida sido deferida pelo juízo de Castelo, após parecer favorável do ministério público”, contou o delegado.

Continua depois da publicidade

Ananias só não foi preso antes porque a legislação eleitoral impede prisões que não sejam em flagrante cinco dias antes das eleições e 48 horas depois.

Nesta quarta-feira, os policiais civis deram cumprimento ao mandado de prisão temporária contra o pai da criança. Inicialmente, ele tentou fugir, mas foi capturado pelos policiais.

Na delegacia, ao ser interrogado, Ananias confessou que envenenou o próprio filho na esperança de reatar o relacionamento. “O pai da criança foi frio em seu depoimento e ele estava separado de sua esposa”, explicou o delegado que informou que o laudo da análise do produto ainda não ficou pronto.

O detido ficará preso no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Cachoeiro de Itapemirim, à disposição da Justiça.

O delegado enalteceu o trabalho investigativo realizado pelos policiais civis da cidade.

O caso

O caso teve grande repercussão na imprensa de todo o Espírito Santo e mobilizou a Vigilância Sanitária de Cachoeiro de Itapemirim e de Castelo, além da Polícia Civil.

Em Castelo o lote dos produtos Selitinho chegou a ser retirado das prateleiras dos estabelecimentos comerciais para análise, após o garoto ter sido hospitalizado em estado grave.

A criança, que passou por quatro hospitais, em Castelo, Cachoeiro e Vitória, segue internado no Hospital Infantil de Cachoeiro e está na enfermaria se recuperando.

Ananias sempre sustentou que o produto consumido por seu filho estava contaminado. Ele chegou a reclamar de falta de assistência por parte da cooperativa e ameaçou processar a empresa que fez análise no lote e não encontrou qualquer tipo de anormalidade.

Publicidade