Alegre

OAB de Alegre repudia ato de racismo contra músico

COMPARTILHE
589

A subseção da OAB em Alegre, na região do Caparaó, no sul do Estado, publicou em sua pagina oficial do Facebook, na manhã deste sábado (20) nota de repúdio pelo ato praticado por um professor universitário da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), na última quinta-feira (18) contra o músico Leonnes Gomes.

Prefeito de Alegre anuncia R$ 1 milhão para pavimentação em Anutiba

Na noite da última quinta-feira (24), o prefeito de Alegre, José Guilherme, acompanhado de...

Prefeitura de Alegre realiza pavimentação em trecho do bairro Cobrinha

Com investimentos que se aproximam dos R$ 20 mil a Prefeitura de Alegre finaliza...

Motociclista morre após colidir com caminhão em Alegre

O motociclista Eduardo Xavier de Carvalho, 37 anos, morreu após sofrer uma colisão com...

 

NOTA DE REPÚDIO

Continua depois da publicidade

Os advogados da 7ª subseção da Ordem dos Advogados do Brasil do Espírito Santo vêm a público repudiar o ato de discriminação racial e a conduta do professor Universidade Federal do Espírito Santo Giovanni Decot Galgano, que agrediu com insultos racistas o cantor Leonnes Gomes após evento ocorrido no dia 18 de outubro de 2018, na sede do Clube Comercial Atlético Club.

Diante disso, solicitamos à Polícia Civil do Estado do Espírito Santo a apuração dos fatos em razão da conduta dos envolvidos no caso em tela, com as respectivas sanções, a fim de evitar novos casos.

Por fim, a Diretoria da 7ª subseção se solidariza com o Sr. Leonnes Gomes e repudia veemente qualquer ato de racismo em nosso País.

 

Alegre/ES, 20 de Outubro de 2018.

Luiz Felipe Mantovaneli Ferreira

Presidente da 7ª Subseção da OAB-ES

 

O caso

O caso aconteceu na noite da última quinta-feira (18), na saída de um clube no centro de Alegre. Dois músicos disseram ter sido verbalmente ofendidos, sendo um deles inclusive vítima de racismo, por causa de divergências políticas.

A agressão teria acontecido por causa de um adesivo do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, colado no veículo dos músicos.

Segundo um dos músicos, o professor teria dito que músico que vota em Bolsonaro está f** e, referindo-se a Leonnes, falado: “Aí ó… preto e músico tá mais f*** ainda”, afirmou Gleidisson.

Publicidade