Eleições 2020

Justiça Eleitoral proíbe cinco candidatos fichas-sujas do ES de usar verba pública em campanha

COMPARTILHE
590
Advertisement
Advertisement

A Procuradoria Regional Eleitoral no Espírito Santo (PRE/ES) obteve cinco decisões que proíbem candidatos fichas-sujas de receberam repasse de recursos oriundos do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanha. Caso os recursos já tenham sido disponibilizados aos candidatos, o montante deverá ser devolvido.

Continua depois da publicidade

Além disso, os candidatos a deputado estadual Cláudio Sérgio de Souza Silva, Eli Gomes Ramos, Gilberto Matias de Souza, Paulo César Damm e Wasinghton Luis Martins ficam proibidos de utilizar o horário eleitoral gratuito.

A decisão foi obtida após a Procuradoria Eleitoral ingressar com ação de impugnação de registro de candidatura contra os candidatos que possuem condenação transitada em julgado. O artigo 1º, inciso I, alínea “e”, item 2, da Lei Complementar nº 64/90, dispõe que são inelegíveis para qualquer cargo: os que forem condenados, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado, desde a condenação até o transcurso do prazo de oito anos após o cumprimento da pena pelos crimes (Redação dada pela Lei Complementar nº 135, de 2010 – Lei da Ficha Limpa): contra a economia popular, a fé pública, a administração pública e o patrimônio público.

Registro indeferido

Continua depois da publicidade

No caso dos candidatos Cláudio Sérgio de Souza Silva, Paulo César Damm e Wasinghton Luis Martins, o Tribunal Regional Eleitoral no Espírito Santo (TRE/ES) também já indeferiu os seus pedidos de registro de candidatura. O julgamento da impugnação às candidaturas de Eli Gomes Ramos e Gilberto Matias de Souza ainda está pendente, tendo as restrições ao uso dos recursos públicos sido deferidas liminarmente.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].