Cidades

Garoto de 7 anos vai parar no CTI após consumir vitamina Selita em Castelo

COMPARTILHE
59285

O menino Wallisson Ozório Amancio, de 7 anos, de Castelo, foi internado em estado grave após consumir uma vitamina de frutas da empresa Selita. A suspeita da família é que o produto esteja contaminado com alguma substância corrosiva.

Cachoeiro promoverá novo mutirão de negociação de dívidas em novembro

O Procon de Cachoeiro de Itapemirim está organizando um novo mutirão de negociação de...

Victor Coelho visita obras na região do próximo Transforma Cachoeiro

Na manhã desta segunda-feira (21), o prefeito de Cachoeiro, Victor Coelho, esteve nos bairros...

Moradores são atacados por cães de rua em Mimoso do Sul e pedem providência da prefeitura

Na tentativa de fazer com que a prefeitura tome uma providência, moradores de Mimoso...

De acordo com o auxiliar de produção Ananias Amancio, por volta das 12h30, desta segunda-feira (24), seu filho começou a passar mal após consumir o Selitinho comprado em uma padaria da cidade e o levou as pressas para a Santa Casa de Castelo.

OUÇA A ENTREVISTA COM O PAI DO GAROTO

Continua depois da publicidade

“Quando peguei meu filho no colo caiu saliva de sua boca em meu braço. Fiquei assustado, pois a substância que estava na saliva arrancou os pelos do meu braço. Logo após chegar no hospital a Polícia Militar foi acionada para registrar o caso”, contou Ananias.

No início da noite o garoto foi transferido para o Hospital Infantil de Cachoeiro de Itapemirim. Mas devido à gravidade do caso Walisson foi transferido na manhã desta terça-feira (25) para o Hospital Infantil de Vitória.

“Hoje pela manhã a médica falou que iria fazer uma análise no achocolatado, mas um funcionário do hospital que trabalha com produtos químicos afirmou que pelo aspecto da substância a suspeita é que é um produto corrosivo, tipo soda caustica. Mas o laudo deve ficar pronto amanhã”, disse o pai da criança.

O caso, segundo Ananias vai ser registrado ainda nesta terça-feira na delegacia de Castelo. A família pretende processar a Selita.

“A empresa fez contato comigo hoje pela manhã disse que vai dar assistência, mas eu não tenho garantia de isso vai acontecer. Meu filho está lá em Vitória e eu aqui sem ter condições de ir prá lá. Vou processar a Selita. Não vou deixar barato, pois é a vida do meu filho que está em risco”, afirmou Ananias.

Por telefone, a assessoria de imprensa da Selita informou que a empresa está apurando o caso.

A Vigilância Sanitária de Cachoeiro informou que se comprovado que foi realmente o produto causador do fato, será feita a coleta do lote específico para análise.

O hospital ainda não informou o que consta no laudo médico.

Publicidade