Mundo Pet

Venda de filhotes de cães e gatos em pet shops é proibida na Inglaterra

COMPARTILHE
Reprodução/LiveKindly
98

A venda de filhotes de cães e gatos com menos de oito semanas de idade foi proibida em todo o território da Inglaterra. A lei entrará em vigor no dia 1º de outubro deste ano. É uma grande conquista dos direitos animais, uma vez que banir a comercialização é uma maneira de conscientizar a população de que animais não são objetos e por isso não podem ser vendidos ou comprados.

Além disso, uma proposta de lei adicional, introduzida nesta quarta-feira (22) pelo Departamento de Meio Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais, tem o intuito de proibir o comércio de cachorros e gatos no país de vez. A iniciativa foi tomada após estimativas feitas pelo próprio departamento sugerirem que o número de animais vendidos anualmente está entre 40 mil e 80 mil. A variação é grande pois o departamento não faz um controle direto dessa quantidade. As informações foram coletadas do portal da emissora BBC News.

De acordo com a legislação, tanto os estabelecimentos devidamente licenciados, como pet shops, quanto as “fábricas de filhtoes” ilegais, que criem ou não os animais no local, serão proibidas. No entanto, os “vendedores de terceiros”, como são chamados, ainda terão permissão para vender animais, uma vez que possuam uma licença que esteja de acordo com os Regulamentos de Bem-estar Animal 2018 e entreguem os animais apenas para pessoas que estejam aptadas a criá-los.

Continua depois da publicidade

Aqueles que procuram um animal doméstico como companheiro para a vida são encorajados a “adotar, não comprar”. Dados coletados pela RSPCA (Sociedade Real para a Prevenção da Crueldade contra os Animais) revelam que em 2017 dos quase 115 mil animais que foram levados para abrigos, apenas 44.611 foram adotados.

É por isso que a proibição do comércio é tão importante: ela tenta reduzir os problemas de saúde e estresse mental enfrentados por animais que são criados em condições precárias, por pessoas que não compreendem as dificuldades e desafios que serão enfrentados ao se tornar responsável por um outro ser.

Além disso, a separação precoce das mães, a introdução em ambientes desconhecidos e as longas viagens a lojas de animais e comerciantes contribuem para um aumento do risco de doenças e falta de socialização adequada em cachorros e gatinhos.

A nova legislação está sendo enxergada como uma vitória dos defensores da “Lei de Lucy”, uma campanha de bem-estar animal batizada em homenagem a um Cavalier King Charles Spaniel que sofreu uma série de problemas de saúde, como uma coluna curva, como resultado de ser mantida em uma gaiola apertada. Moinho do filhote de Galês e epilepsia. Lucy viveu por apenas três anos. Cerca de 150 mil pessoas assinaram uma petição em apoio à Lei de Lucy, que foi apresentada ao Parlamento em maio passado.

“As pessoas que têm um completo desrespeito pelo bem-estar dos animais de estimação não poderão mais lucrar com este comércio miserável”, disse o secretário do Meio Ambiente, Michael Gove. “Tivemos essa explosão neste mercado com muitos comerciantes trapaceiros, muitos traficantes desonestos e isso significa que o público muitas vezes não é suspeito. Eles acham que estão comprando de um criador respeitável, na verdade, estão comprando de uma pessoa intermediária “, disse Chris Wainwright, vice-presidente-executivo da RSPCA.

“Isso significa que os criadores não estão recebendo o exame minucioso em suas instalações porque estão transferindo esses cães para terceiros e, muitas vezes, deixam as famílias com animais doentes, e a tragédia disso ocorre”, ele finaliza. A proposta de lei para proibir a venda de filhotes e filhotes com menos de seis meses estará sob consulta até setembro de 2018.

(Por Bárbara Alcântara, ANDA)

Publicidade